Guarda Municipal da prefeitura de Belo Horizonte agride clientes de bar

Uma idosa de 68 anos também foi ofendida pelos agentes

Da CNN
18 de julho de 2020 às 14:22 | Atualizado 18 de julho de 2020 às 15:05

O que era para ser uma fiscalização normal de funcionamento terminou em uma ação truculenta da Guarda Municipal da prefeitura de Belo Horizonte na noite da última quinta-feira (16). Clientes de um bar tradicional da cidade ficaram assustados com a agressão sofrida pelo irmão do dono do estabelecimento. Até a mãe dele, de 68 anos, entrou na confusão ao tentar questionar os guardas.

Tudo começou, segundo a corporação, após os guardas pedirem para um dos presentes ao bar utilizar a máscara de proteção. Vídeos feitos por celulares mostram clientes bebendo cerveja do lado de fora e a abordagem da Guarda Municipal. Um homem foi imobilizado pelos agentes da Prefeitura de Belo Horizonte. Algumas pessoas se envolveram na confusão. 

Leia também:

Distância de 7 m² em bares e lojas: BH apresenta protocolo para reabertura

Com 91% de ocupação, BH vai abrir novo hospital de campanha

Imagens de um circuito de segurança mostram o momento em que a idosa discute com os guardas. Eles se aproximam, e o homem de bermuda, blusa preta e com as mãos para trás interfere. Não é possível saber o que foi dito. Um guarda segura o rapaz pela camisa, e um outro agente dá uma gravata no homem.

A idosa de 68 anos, o filho dela -- que é o homem que aparece no vídeo sendo imobilizado -- e um amigo da família foram presos e levados à delegacia. Eles prestaram depoimento e depois liberados.

A idosa é mãe de Rafael Cohen, dono do bar. Para ele, a abordagem da Guarda Municipal foi abusiva.

"Foi a Guarda mesmo quem começou as agressões, eles estavam só afirmando que não tinha motivo de tomar o alvará. A pessoa estava com o braço para trás e a guarda chegou imobilizando, tentando prender", contou. "Minha mãe e meu irmão entraram no meio para tentar separar, porque não tinha necessidade nenhuma da guarda fazer isso". 

O bar funciona há 25 anos em uma avenida na região centro-sul da capital mineira. O alvará de funcionamento e localização foi recolhido.

Um cliente do local, o administrador Gustavo Fraga Timo disse que houve uso desnecesário da força. "Nada justifica usar violência para pedir a uma pessoa para usar máscara", afirmou.

Em nota, a Guarda Municipal disse que é a quinta vez que vai até o bar após moradores denunciarem aglomeração. A corporação disse que os envolvidos desacataram os agentes e que um deles chegou a agredi-los. 

(Edição: Marina Motomura e Bernardo Barbosa)