Não entendi por que tanto ódio, diz delegado vítima de racismo no DF


Anna Russi, da CNN em Brasília
09 de agosto de 2020 às 18:34 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 13:23

O delegado da Polícia Civil do Distrito Federal Ricardo Viana, que foi vítima de racismo na última sexta-feira (7), afirmou em nota que não entende o motivo das agressões que sofreu. "Até o momento não entendi por que tanto ódio em uma só pessoa, o pior é saber que este tem histórico de violência e já praticou fatos semelhantes com outros negros", disse. 

Ele contou que ao se dirigir a uma lanchonete no Lago Sul, região nobre de Brasília, acompanhado de uma de suas filhas, foi surpreendido por "um indivíduo aparentemente fora de si", o qual teria o empurrado e ofendido.

"Continuamente arremessou um pé de sua chinela em minha direção. Populares que ali estavam tentaram conter a confusão, ocasião em que, após me identificar como policial e dar ordem de prisão, o indivíduo evadiu-se do local sendo preso posteriormente por uma equipe de Policiais Militares que me prestaram apoio", completou.

Leia também:

Entregador é vítima de racismo em condomínio de luxo em Valinhos (SP)

Jovem negro é vítima de racismo ao tentar trocar relógio em shopping do Rio

Brasileiro reconhece racismo, mas critica 'politicamente correto', diz pesquisa

Em nota, a Polícia Civil do DF informou que o agressor foi indiciado por ameaça, vias de fato, porte de susbtância entorpecente para consumo pessoal e injúria racial. 

De acordo com a Polícia Civil do Distrito Federal, após a apresentação dos envolvidos na delegacia, o autor do crime foi autuado em flagrante também pelo crime de uso/porte de entorpecente, por ter sido com ele encontrado dois cigarros de maconha.

"O envolvido foi posto em liberdade provisória mediante pagamento de fiança após audiência de custódia", informou a Polícia Civil do DF.

O delegado Ricardo Viana, da Polícia Civil do Distrito Federal

O delegado Ricardo Viana, da Polícia Civil do Distrito Federal, foi vítima de injúria racial.

Foto: Reprodução