Reforma tributária eleva carga dos bancos em 20%, diz presidente do Bradesco


Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
09 de agosto de 2020 às 23:55 | Atualizado 10 de agosto de 2020 às 12:53



O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, rebateu, em entrevista exclusiva ao CNN Líderes, as críticas de que o setor financeiro está sendo poupado pela proposta de reforma tributária enviada pelo governo federal ao Congresso.

"Essa proposta não diminui a carga tributária dos bancos, mas aumenta em 20%. Acho que essa não é a melhor alternativa", disse Lazari Junior. "Precisamos fazer uma simplificação tributária. É pura ilusão achar que conseguiremos reduzir a carga tributária neste momento."

Assista a todos os episódios do programa CNN Líderes

Muitos políticos vêm criticando o fato de o governo ter proposto uma alíquota de 5,8% para os bancos unificando o PIS e a Cofins, enquanto a maioria dos setores pagaria 12%. O setor financeiro hoje é tributado em 4,65% de PIS e Cofins.

Leia também:

Os bastidores das conversas entre BB e Bradesco sobre Cielo e Elo

BB e Bradesco discutem divisão de ativos como Cielo e Alelo, diz Novaes

Para cortar custos, Bradesco vai manter funcionários de casa uma semana por mês

Lazari diz que não vê problemas de o governo elevar o imposto previsto para o setor para 12%, desde que sejam reduzidos outros tributos. Segundo ele, o setor financeiro paga 45% do seu faturamento em impostos e é o mais tributado do mundo.

O executivo comentou as pressões políticas para romper o teto de gastos - mecanismo que limita as despesas públicas ao crescimento da inflação - com o objetivo de combater a pandemia. "Se houver um estouro do teto, o investidor financeiro vai se afastar. É que o que não precisamos nesse momento."

Lazari também falou sobre a polêmica em torno das negociações entre Banco do Brasil e Bradesco sobre sua sociedade na Cielo. Segundo ele, a empresa precisa de um "turnaround" após o prejuízo registrado no segundo trimestre. "É uma companhia que pode voltar a ser rentável", disse.