Secretário de Saúde de SP afirma que a Covid-19 'não desvia de escolas privadas'

Edson Aparecido defendeu decisão da Prefeitura de continuar com as escolas fechadas

Da CNN
19 de agosto de 2020 às 11:35 | Atualizado 19 de agosto de 2020 às 13:29

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (SIEEESP) pretende entrar com uma ação judicial para retomar as atividades presenciais na capital paulista em 8 de setembro. A decisão foi tomada após o prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciar que a cidade não permitirá a reabertura na data mesmo após receber aval do governo estadual.

Em entrevista à CNN, na manhã desta quarta-feira (19), Edson Aparecido, secretário municipal de Saúde de São Paulo, afirmou que tal decisão é incorreta e que "o vírus não desvia da escola privada". Aparecido também comentou os indicadores da última testagem sorológica feita em alunos.

"Nós não podemos fazer a separação entre escola particular e pública porque o vírus não 'desvia' da escola privada. Ele entra também e as crianças podem se contaminar. E também, sobre o ponto de vista pedagógico, não seria correto deixar o sistema privado funcionando e o sistema público paralisado. A medida tem que ser única tanto no ponto de vista da saúde, quanto no ponto de vista pedagógico", pontuou.

Leia também:
O Grande Debate: Está na hora de retomar as aulas presenciais?
Escolas só serão reabertas após aval de autoridades sanitárias, diz Bruno Covas
Conselho propõe que pais decidam sobre volta às aulas presenciais em São Paulo

O secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, fala à CNN
Foto: CNN (29.mai.2020)

Um mapeamento na cidade de São Paulo mostrou que quase dois terços dos estudantes testados para a Covid-19 são assintomáticos. Portanto, voltar  às aulas, neste momento, pode colocar em risco muitos pais e crianças com comorbidades desconhecidas. O prefeito Bruno Covas (PSDB) anunciou que 
o retorno das aulas, previsto para setembro não deve acontecer. 

"O inquérito sorológico foi muito importante para apontar que nós temos hoje mais de 16% das crianças da rede de ensino da cidade que tiveram contato com o vírus. E 64% delas foram completamente assintomáticas. Além disso, este resultado mostra o acerto, por parte da gestão, de ter parado as aulas logo no início da pandemia", afirmou o secretário.

De acordo com ele, a cidade de São Paulo vive uma tendência de queda nos casos de Covid-19. No entanto, não descarta a possibilidade de voltar atrás com a decisão.

"Os números mostram já quase oito semanas uma tendência um cenário de queda no número de casos. Mesmo momento da testagem a parte de ocupação dos leitos de UTI na cidade hoje é de 46%. (...) Agora precisa ter toda atenção por conta de qualquer movimentação  É evidente que nós temos que dar um passo atrás [caso o número aumente] e é fundamental cuidar da segurança da saúde", disse.

Questionado quanto ao perfil das crianças testadas e das pessoas que fazem parte do ciclo de convivência delas, o secretário reafirmou que está sendo feito o monitoramento adequado.

"Nós temos o perfil destes alunos testados. O inquérito também apontou que 26% destas crianças moram em residências que têm pessoas com mais de 60 anos. Portanto, a circulação das crianças da escola e depois retornando para casa, coloca em risco este grupo e nós monitoramos isto. (...) Infelizmente, a perda pedagógica para os alunos devido à pandemia é brutal. Mas, infelizmente, a criança possui um alto grau de transmissibilidade da doença. Por isso é preciso ter todo este cuidado", finaliza.

(Edição: André Rigue)