Polícia prende ao menos 270 pessoas em operação contra roubo e latrocínio no RJ

Investigações apontam que grande parte dos assaltos praticados no estado fluminense é financiada por organizações criminosas envolvidas com tráfico de drogas

Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
25 de agosto de 2020 às 07:51 | Atualizado 25 de agosto de 2020 às 12:51

Policiais civis do Rio de Janeiro prenderam nesta terça-feira (25) ao menos 270 pessoas durante uma megaoperação no estado. Os agentes cumpriram mandados de prisão contra autores de roubos, receptação e latrocínios que estão foragidos da Justiça.

Dentre os alvos da Operação Espoliador III, quatro morreram em confronto com policiais, sendo três em Resende, no sul do estado, e um em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Alguns dos mandados foram cumpridos em endereços em bairros nobres, como um condomínio de luxo na Barra da Tijuca, Zona Oeste da capital fluminense. 

As investigações apontam que grande parte dos roubos praticados no estado fluminense é financiada por organizações criminosas envolvidas com tráfico de drogas e grupos milicianos, informou a Polícia Civil.

Os traficantes emprestam armas para os criminosos praticarem os assaltos. Em troca, estes recebem parte dos lucros.

Assista e leia também: 
Polícia Civil faz operação contra milícias no Rio de Janeiro
Histórias de crianças baleadas no Rio de Janeiro ganham destaque em protesto
Tiroteio em festa junina deixa cinco mortos e sete feridos no Rio de Janeiro

Suspeito de envolvimento nos crimes é levado à delegacia por policiais
Foto: Divulgação - 25.ago.2020 / Polícia Civil do RJ

A ação desta terça também buscou prender os responsáveis por adquirir os produtos roubados (receptadores) e os latrocidas, que matam a vítima durante o roubo.

Na operação desta manhã, os agentes apreenderam armas e drogas, além de carros roubados, que eram clonados ou desmontados para revenda das peças em desmanches.

O secretário de Estado de Polícia Civil, Flávio Brito, explicou que a prática não é recente. “Essa prática já acontecia. Hoje, há uma intensificação. Às vezes, uma facção criminosa se alia à milícia para combater a outra facção rival."

O subsecretário operacional da Polícia Civil, delegado Felipe Curi, que coordena a ação, informou que os grupos se organizavam e tinham, inclusive, núcleos com gerentes de roubos de carro e de cargas. 

Números

Segundo a Polícia Civil, com base em um levantamento do Serviço de Polícia Interestadual (Polinter), o crime organizado de tráfico e milícia é responsável por cerca de 79% dos roubos de veículos praticados na capital fluminense, 73% na Baixada e 84% em Niterói e São Gonçalo.

Com relação aos roubos de cargas, o grupo tem participação em ao menos 65% deles na capital, 64% na Baixada e 62% em Niterói e São Gonçalo.   

A polícia informou que, em 2019, 12.587 autores de roubos foram indiciados, o que representa uma alta de 18,8% em relação ao ano anterior, e 2.135 foram presos.

A operação desta terça é realizada pela Polícia Civil do RJ e conta com o auxílio de departamentos gerais da Polícia da Capital (DGPC), da Baixada Fluminense (DGPB), do Interior (DGPI), Especializada (DGPE) e de Homicídios e Proteção à Pessoa (DGHPP).

(Com informações de Thayana Araújo, Luiza Muttoni e Maria Mazzei, da CNN, no Rio de Janeiro)

Suspeito de envolvimento nos crimes chega à delegacia
Foto: Divulgação - 25.ago.2020 / Polícia Civil do RJ