Após 5 meses, Corpo de Bombeiros retoma buscas por desaparecidos em Brumadinho

Operação havia sido suspensa em decorrência da Covid-19; 11 vítimas seguem desaparecidas após o rompimento da barragem da Vale

27 de agosto de 2020 às 07:55 | Atualizado 27 de agosto de 2020 às 11:09

O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais retoma, nesta quinta-feira (27), as buscas por 11 vítimas desaparecidas após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho, na região metropolitana de Belo Horizonte.

A Operação Brumadinho é retomada após cerca de cinco meses, uma vez que havia sido suspensa em decorrência da Covid-19. Aproximadamente, 60 militares irão atuar nos trabalhos.

Leia também:

Governo mineiro e MP pedem bloqueio de R$26,7 bi da Vale por caso Brumadinho

Região atingida pelo rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), em sobrevoo feito pelo presidente Jair Bolsonaro no dia seguinte ao acidente
Foto: Presidência da República - 26.jan.2019/Divulgação

 

As buscas pelos últimos desaparecidos foram interrompidas em 21 de março, conforme determinação publicada em Diário Oficial. Equipes do STAFF da operação ainda permaneceram até o dia 23 do mesmo mês, "para a adoção de medidas necessárias à interrupção das atividades e sua futura reativação", informou os Bombeiros à época.

Além disso, o perímetro foi preservado, de forma que possíveis dificuldades ao retomar os trabalhos fossem restringidas. "Como se trata de uma área de crime, um efetivo reduzido permanecerá no local até o retorno dos trabalhos, além da guarda patrimonial da Vale", dizia o mesmo comunicado.

A corporação permaneceu em ação por 422 dias ininterruptos, com 3.618 militares atuando nas buscas. Ao todo, foram contabilizados 259 óbitos, nos 14 meses de operação. Pelo menos 11 pessoas permanecem desaparecidas.