Eduardo Paes lança candidatura para prefeito do Rio de Janeiro pelo DEM


Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
02 de setembro de 2020 às 17:17 | Atualizado 02 de setembro de 2020 às 17:18
Eduardo Paes

O ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (11.ago.2015)

Foto: Ricardo Cassiano/Prefeitura do Rio

O ex-prefeito do Rio de Janeiro Eduardo Paes (DEM) vai disputar as eleições de novembro deste ano na intenção de voltar a administrar a capital fluminense, que governou entre 2009 e 2016.

O nome de Paes foi aprovado nesta quarta-feira (2), durante a convenção municipal do Democratas. O candidato a vice-prefeito ainda não foi definido e será anunciado até o fim do período das convenções partidárias, que termina no dia 16.

O presidente estadual do DEM no Rio é o ex-prefeito e vereador César Maia, pai do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.

O partido Cidadania definiu apoio ao nome de Paes, enquanto outros dois partidos designaram oficialmente candidatos próprios à prefeitura do Rio. 

Assista e leia também:

Câmara de Vereadores do Rio discute impeachment de Crivella na quinta-feira

Castro e Crivella discutem medidas convergentes para reabertura econômica no Rio

'Não preciso de padrinho', diz ex-juíza candidata pelo partido de Witzel

O PSC, partido do governador afastado Wilson Witzel e do governador em exercício Cláudio Castro, terá a ex-juíza Glória Heloíza concorrendo à prefeitura.

Glória Heloíza derrotou o deputado Otoni de Paula, ligado ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), nas prévias do PSC. Comentando o afastamento de Witzel, a ex-juíza disse ao colunista da CNN Leandro Resende que "não precisa de padrinho".

"Nunca precisei de padrinho e nem de tutor. A minha escolha por concorrer diz respeito só a mim. Todos os votos serão importantes', afirmou a candidata.

O Partido Novo lançou a candidatura de Fred Luz, empresário e ex-CEO do Flamengo. A vice de Luz será a bióloga Giselle Gomes, também do Novo.

O prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) é pré-candidato à reeleição, mas também enfrenta um pedido de impeachment.

A Câmara Municipal se reúne, nesta quinta-feira (3), para decidir se abre um processo de cassação contra Crivella, após um pedido enviado pela deputada estadual Renata Souza (PSOL).

O pedido denuncia que Crivella praticou ato de improbidade administrativa ao usar funcionários públicos para atrapalhar o trabalho da imprensa na cobertura de problemas nas unidades de saúde do município. São necessários 26 votos (de 50 vereadores) para que o processo seja aberto.