Polícia apreende três celulares de ex-vereador em investigação do caso Marielle

Cristiano Girão é investigado na Operação Dejá Vu, que o aponta como suposto mandante do assassinato de um miliciano na Zona Oeste do Rio em 2014

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
09 de setembro de 2020 às 17:12
Vereadora Marielle Franco na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.
Foto: Renan Olaz - 08.mar.2017/CMRJ

Policiais civis do Departamento Geral de  Homicídios e Proteção à Pessoa do Rio de Janeiro apreenderam três celulares do ex-vereador do Rio Cristiano Girão, investigado na Operação Dejá Vu, que o aponta como suposto mandante do assassinato de um miliciano na Zona Oeste do Rio em 2014.

De acordo com as investigações, Girão teria contratado o PM aposentado Ronnie Lessa para cometer o crime. Lessa é um dos réus pela morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes - os crimes, de acordo com o delegado Antônio Ricardo Lima Nunes, são muito semelhantes.

Leia mais:
Polícia do RJ cumpre 5 mandados em ação envolvendo suspeito de matar Marielle

“A morte de 2014 leva a assinatura de Ronnie Lessa. É o mesmo modus operandi da morte da Marielle, inclusive com a morte de uma pessoa que não era o alvo do crime”, afirmou. Os aparelhos foram apreendidos com Girão em sua casa na cidade de Arujá, na grande São Paulo.

O conteúdo dos celulares será aproveitado pelos investigadores que atuam na segunda etapa da investigação sobre a morte de Marielle Franco - a apuração sobre a existência de um mandante para o crime. 

Além dos celulares, um carro usado por Girão também entrará no radar da apuração. Em 2017, o ex-vereador foi detido em São Paulo quando estava dirigindo um carro roubado. A polícia suspeita que o veículo possa ter sido usado em crimes.

De acordo com investigadores, mesmo vivendo em São Paulo, Girão mantém influência sobre a milícia que atua no bairro da Gardênia Azul, na Zona Oeste do Rio. Girão foi denunciado pela CPI das Milícias, da Assembleia Legislativa do Rio, por liderar um grupo criminoso na área - ele ficou preso entre 2009 e 2015. Hoje ele vive entre o Rio e São Paulo e é dono de diversos imóveis residenciais no bairro da Zona Oeste do Rio.