‘O Inpe está se contradizendo', afirma Mourão sobre queimadas na Amazônia

Segundo o Inpe, em 2020, foram registradas 56.425 queimadas na região, um crescimento de 6% em relação ao mesmo período de 2019

Caroline Rosito, da CNN, em Brasília
11 de setembro de 2020 às 11:23
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), fala à CNN
O vice-presidente da República, Hamilton Mourão (PRTB), fala à CNN
Foto: CNN (9.set.2020)

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) afirmou nesta sexta-feira (11) que o número de focos de incêndio na Amazônia, divulgado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que é ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações,está em “desacordo”.

Na chegada ao Palácio do Planalto, Mourão foi questionado por jornalistas sobre a pesquisa do Inpe, que revela um recorde de queimadas na Amazônia desde 2010. Os dados foram publicados pelo jornal “O Globo” nesta quinta-feira (10). 

Leia mais:
Inpe registra aumento de focos de incêndio nos principais biomas brasileiros

Segundo o Inpe, em 2020, foram registradas 56.425 queimadas na região, um crescimento de 6% em relação ao mesmo período de 2019. 

Porém, de acordo com o vice-presidente, os dados repassados pelo instituto ao Conselho Nacional da Amazônia, coordenado por Mourão, mostram uma redução de 7% no número de queimadas entre 1º de janeiro e 31 de agosto deste ano. 

“O Inpe está se contradizendo, porque os dados que me são repassados, que são os dados do Inpe, mostram que houve uma redução de 7% das queimadas, do número de focos de calor”, explicou Mourão. 

Mourão afirmou também que pretende ainda este mês sobrevoar a região da Amazônia mais afetada pelas queimadas. 

“Eu estou planejando fazer um sobrevoo nas áreas para eu realmente identificar isso tudo, e ter noção do que está acontecendo na realidade”,   disse. 

A CNN pediu posicionamento ao Inpe, mas não obteve retorno até a publicação da reportagem.