Flordelis tem músicas proíbidas de tocar em rádios gospel do RJ

Gravadora rescindiu o contrato com Flordelis após a denúncia oferecida contra ela pelo Ministério Público ser aceita

Thayana Araújo, da CNN, no Rio
14 de setembro de 2020 às 12:35 | Atualizado 14 de setembro de 2020 às 12:42

Sucesso no mundo gospel, a pastora e deputada federal Flordelis está proibida de ter suas músicas tocadas em duas das rádios mais populares e líderes de audiência do RJ no segmento. Uma delas pertence ao senador pelo estado do RJ Arolde de Oliveira (PSC).   

A gravadora gospel MK Music – conglomerado de portal de notícias, rádio FM - rescindiu o contrato com Flordelis após a denúncia oferecida contra ela pelo Ministério Público ser aceita e a parlamentar se tornar ré, acusada de ser mandante da morte do marido, o pastor Anderson do Carmo. 

Leia mais:
Testemunha do caso Flordelis que sofreu atentado é ouvida pela Justiça e pelo MP
Justiça nega soltura de um dos filhos de Flordelis

Deputada Flordelis
Foto: Flordelis - 29.set.2019 / Facebook

A decisão de romper com o contrato ocorreu um dia após a operação da polícia, em 24 de agosto que prendeu oito pessoas dentre elas, sete filhos adotivos da deputada. Durante as investigações, a deputada federal ainda permaneceu contratada e recebendo pela gravadora porque prevalecia até então presunção de inocência da pastora. 

Flordelis era considerada uma estrela e espécie de “headline” da gravadora pela audiência do público evangélico. Por ser detentora de oito igrejas se tornou sucesso e uma das cantoras mais rentáveis para a empresa. 

Pelo contrato, além de venda de CDs ela recebia por visualização dos clipes da gravadora no youtube. Todo ano Flordelis organizava um congresso de missões em que pastores do Brasil todo participavam e tinha boa divulgação pela rádio, gravadora e portal de notícias do conglomerado do qual era contratada.     
À CNN, a gravadora se pronunciou através de nota: “a Flordelis não faz parte do quadro de artistas da MK Music, e por questões de confidencialidade, não comenta sobre rescisões e vida pessoal”. A CNN também buscou ouvir o senador Arolde de Oliveira mas não obteve resposta.