Polícia investiga lavagem de R$ 200 milhões de facção criminosa no Rio

Ação cumpre 25 mandados de busca e apreensão e ocorre simultaneamente em 5 estados: Rio de Janeiro, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina

Luiza Muttoni, da CNN, no Rio de Janeiro
17 de setembro de 2020 às 07:41 | Atualizado 17 de setembro de 2020 às 08:18

A Polícia Civil e o Ministério Público do Rio deflagraram, nesta quinta-feira (17), a Operação Overload II, que tem como objetivo combater o esquema de lavagem de dinheiro do Comando Vermelho, uma das facções criminosas que atuam no estado.

A ação cumpre 25 mandados de busca e apreensão e ocorre simultaneamente em 5 estados (Rio, Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina) e 10 cidades: Rio de Janeiro (RJ), Campo Grande (MS), Ponta Porã (MS), Curitiba (PR), Araucária (PR), Guarapuava (PR), Ponta Grossa (PR), São José dos Pinhais (PR), Belo Horizonte (MG) e Mafra (SC).

Leia também:

Operação do Ministério Público cumpre mandados contra líderes do PCC em SP

Operação contra o Comando Vermelho no Rio de Janeiro
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Na primeira fase da operação, ocorrida em 2015, 61 traficantes considerados líderes na hierarquia da facção foram condenados.

Entre eles, criminosos que agiam de dentro de presídios federais e controlavam o tráfico de drogas em favelas das cidades do Rio de Janeiro, Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana, além da Baixada Fluminense.

Entre os denunciados estão os líderes da organização, Elias Pereira da Silva, o “Elias Maluco”, e Márcio Santos Nepomuceno, o “Marcinho VP”, ambos presos na penitenciária federal de Catanduvas.

“Elias Maluco” foi preso acusado da morte do jornalista Tim Lopes, em 2002.

Os investigadores tiveram acesso a prestação de contas do grupo que mostram os altos rendimentos.

A Justiça autorizou a quebra do sigilo fiscal de 10 pessoas físicas e de 35 empresas envolvidas no esquema, que movimentou, em pouco mais de um ano, mais de R$ 200 milhões.

Somente na Baixada Fluminense, por exemplo, o faturamento mensal de algumas localidades passou de R$ 7.290.000,00, e 20% do lucro era destinado às lideranças.

As empresas eram registradas fora do Estado do Rio (Paraná, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina), sendo que algumas sequer possuíam sede ou funcionários cadastrados.

Para os investigadores, desarticular os rendimentos da organização criminosa é importante, já que os lucros das atividades ilícitas são empregados para o fortalecimento do poderio bélico da facção.