Suspeito de matar candidato a vereador é exonerado do cargo em prefeitura de MG

Jorge Marra é irmão do prefeito da cidade de Patrocínio, no Triângulo Mineiro

Da CNN
25 de setembro de 2020 às 12:53 | Atualizado 25 de setembro de 2020 às 16:12

 

Acusado de matar Cássio Remis, ex-presidente da Câmara e candidato a vereador em Patrocínio (MG), Jorge Marra foi exonerado nesta sexta-feira do cargo de secretário municipal de Obras e Serviços Urbanos. Ele é irmão do prefeito da cidade Deiró Marra (PSB). 

O anúncio foi feito por meio de nota da prefeitura. Também em nota, a Polícia Civil informou que investigadores tentam localizar suspeito do crime, considerado foragido. O caso será registrado na Delegacia de Plantão de Patrocínio, mas a investigação será conduzida pela Delegacia de Homicídios. 

Os agentes encontraram nesta sexta-feira (24), a arma utilizada no crime e a caminhonete usada na fuga pelo acusado. 

Assista e leia também:

Caso Flordelis divide filhos entre defensores e acusadores da deputada

O caso

De acordo com a Polícia Militar, por volta das 15h30, Cássio Remis estava na avenida João Alves do Nascimento, que passa por uma reforma, fazendo uma transmissão ao vivo pelas redes sociais alegando que funcionários da prefeitura faziam serviços particulares em frente à uma residência que seria o comitê de campanha de Deiró Marra.

Segundo o relato, Jorge Marra foi até o local e tomou telefone celular de Remis, impedindo a sequência da transmissão ao vivo. Em seguida, o secretário entrou numa caminhonete foi até a Secretaria de Obras de Patrocínio.

Ex-presidente da Câmara de Patrocínio (MG), Cássio Remis foi morto a tiros nesta quinta-feira (24) enquanto fazia transmissão ao vivo nas redes sociais
Foto: Reprodução

Ainda segundo a PM, a vítima foi atrás para tentar reaver o telefone. Foi neste momento que Jorge Marra sacou um revólver e disparou cinco vezes. Remis foi atingido na cabeça, no braço, nas costas e morreu no local. Marra fugiu.

Em coletiva, o prefeito Deiró Marra se referiu ao crime como “um acontecimento como uma sequência de fatos absolutamente injustificáveis”. O prefeito decretou luto oficial no município por 3 dias.