Primeiro filhote de girafa de subespécie em extinção nasce no Brasil

A fêmea é da subespécie em extinção Rothschild, considerada a mais rara e mais alta das girafas

Fabrício Guimarães e Giulia Alecrim*, da CNN, em São Paulo
30 de setembro de 2020 às 16:21 | Atualizado 30 de setembro de 2020 às 16:25

Um filhote de girafa nasceu no Zooparque Itatiba, no interior de São Paulo, em 16 de setembro. A fêmea é da subespécie em extinção Rothschild, considerada a mais rara e mais alta das girafas. 

A equipe do zoológico comunicou que acompanhou o trabalho de parto da girafa Hortência, que teve 456 dias de gestação (15 meses), período considerado comum para o animal. Este foi o primeiro nascimento de uma girafa de Rothschild a ser registrado no Brasil. 

A filhote do casal Hortência e Oscar nasceu com 1,80m, pesando aproximadamente 70kg. Durante os primeiros meses de vida, ela ficará apenas sob os cuidados da mãe, de modo a estabelecer uma maior privacidade entre os dois.

“Assim que o filhote nasceu, a mãe já começou a cuidar do filhote, ficando o tempo todo junto dele e fazendo a limpeza do bebê. Pouco mais de uma hora após o nascimento, o filhote já estava em pé e caminhando ao lado da mãe, e logo após aprender a dar os primeiros passos, também já começou a mamar", informou a responsável do zoológico, Camila Piovani, em comunicado. 

Ambos serão monitorados por câmeras remotas 24 horas por dia.

De acordo com o zoológico, o acasalamento de Hortência e Oscar, ambos com cinco anos de idade, foi natural. Eles chegaram à unidade em 2017, vindos da Áustria.

A IUCN (Comissão de Sobrevivência de Espécies da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais) considera a subespécie Rothschild como a mais ameaçada das girafas. Segundo a organização, existem aproximadamente 2.100 indivíduos da subespécie na natureza.

Filhote de girafa de Rothschild com a mãe
Foto: Divulgação/Zooparque


(Sob supervisão de Evelyne Lorenzetti).