Aulas de 2020 nas universidades federais podem terminar só em maio de 2021


Da CNN, em São Paulo
04 de outubro de 2020 às 17:06


O calendário de aulas das universidades federais sofrerá alterações para se adequar à paralisação por conta da pandemia. O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), Edward Madureira, explicou à CNN neste domingo (4) como deve ficar o cronograma.

"As federais, que são 69 em todo o país, praticamente todas retornaram de forma remota, e algumas retomam de forma presencial. O mais prudente é manter as atividades de forma remota, quando muito restringindo àquelas atividades práticas que não têm como ser ministradas remotamente com alguns encontros", explica.

Leia também:
Escolas reabrem em São Paulo na próxima quarta-feira com pais divididos

'Universidades federais não perderão ano letivo', afirma presidente da Andifes

Edward Madureira comenta volta às aulas nas universidades federais (04.out.2020)

 

Foto: Reprodução/CNN


"As universidades estão readequando o calendário. Muitas retomaram o primeiro semestre de 2020 entre julho e setembro, e ele se estende até novembro, dezembro ou janeiro. Imediatamente começa o segundo semestre de 2020, que possivelmente funcionará de forma híbrida, presencial e a distância. Até abril, maio [de 2021], devemos encerrar 2020 e imediatamente começar 2021, para que até o final do ano a gente tenha trazido de volta o calendário acadêmico para dentro do ano civil", continua.

As datas variam de acordo com a região em que a universidade está localizada. "A pandemia tem uma dinâmica muito própria e cada local do país está em um estágio diferente. Não podemos esquecer que não temos vacina, tratamento nem capacidade de teste suficiente", ressalta Madureira. 

(Edição: Marina Motomura)