Séries Originais de hoje conta como as mulheres mudaram o sertanejo

O episódio de domingo (11) vai falar sobre a trajetória do "feminejo" e sobre o envolvimento de bicheiros com o carnaval carioca

Da CNN, em São Paulo
09 de outubro de 2020 às 05:00 | Atualizado 11 de outubro de 2020 às 07:05
Paula Fernandes é um dos maiores nomes na indústria do sertanejo hoje em dia
Foto: CNN Brasil

O Séries Originais exibe neste domingo (11) o último episódio da série Sertanejo: A Trilha do Brasil, que fala sobre como as mulheres abriram espaço e transformaram o sertanejo.

Conhecido como "feminejo", o subgênero faz um sucesso estrondoso hoje em dia, e a CNN conversou com Paula Fernandes, Nayara Azevedo e Thaeme, da dupla Thaeme e Thiago, para entender como elas ganharam os holofotes.

As artistas têm músicas que falam sobre os dilemas que todos passam: amores não correspondidos, sofrimento, traição e superações, mas de uma nova perspectiva.

Até recentemente, os principais nomes da música sertaneja eram de homens, e atualmente, a live mais vista do mundo é a da cantora Marília Mendonça, representante do feminejo.

Paula Fernandes foi uma das primeiras da nova geração de mulheres sertanejas. "Eu sou menina, eu cheguei num mercado que só tinha homem. Um sistema totalmente adaptado pra homem e eu fui enfrentando uma barreira atrás da outra. Uma única mulher, vencendo o preconceito, vencendo o desafio de ocupar um espaço que sempre tinha dupla de homens", lembra.

A cantora Thaeme traz o ritmo no DNA. "Sertanejo para mim é o gênero onde eu me encontrei na verdade, onde eu me senti a vontade, cantando onde eu encontrei a minha verdade. É o ritmo que eu escutava que eu ouvi minha vida inteira, eu trago dos meus avós. Meu avô tinha uma dupla sertaneja. Então é toda a minha raiz, a minha história.”

Thaeme, da dupla Thaeme e Thiago
Foto: CNN Brasil

Leia também:
Shows do sertanejo universitário chegam a custar R$ 600 mil
Cantores do sertanejo raiz lutam para se manter presentes na música

Bicheiros: Jogo Perigoso

O mercado do jogo do bicho rende muito dinheiro para os contraventores
Foto: CNN Brasil

No terceiro episódio da série que investiga a influência do jogo do bicho no sistema de crime no Rio de Janeiro, o Séries Originais vai falar sobre a influência de bicheiros no carnaval carioca.

A Beija-Flor de Nilópolis é a terceira maior campeã do carnaval carioca, conquistou 14 títulos da celebração. Existe, no entanto, um lado obscuro no sucesso da escola. O envolvimento do bicheiro Anísio Abraão David também faz parte da história do brasão. 

"A Beija-Flor era uma escola muito modesta, de uma simplicidade muito pequena da baixada fluminense, Nilópolis, e ela acaba se transformando numa potência com a chegada dos Abraão David. E aí a Beija-Flor, através da injeção de dinheiro dos Abraão David, ela acaba ganhando o primeiro campeonato em 1976, curiosamente com o enredo sobre o jogo do bicho: Sonhar com o Rei dá Leão”, conta o professor e autor de 19 livros sobre o carnaval, Luiz Antônio Simas.

“As escolas não têm culpa do que aconteceu, os sambistas não têm culpa do que aconteceu, porque imagina a situação deles. Como você vai fazer oposição dentro de uma escola de samba a um bicheiro?”, diz o jornalista Aloy Jupiara.

Hoje com 83 anos, o ex-bicheiro Anísio Abraão David cumpre prisão domiciliar, após ser condenado a 20 anos de prisão por corrupção ativa.

O Séries Originais deste domingo também vai explorar a relação de Abraão com um ex-agente coronel, Paulo Malhães.

Durante a ditadura militar, Malhães coordenou os trabalhos na "casa da morte", em Petrópolis. Com o fim do regime, Malhães vai buscar lucro em uma nova atividade, e assim, acaba no jogo do bicho, tornando-se chefe da segurança de Abraão.

O episódio também fala sobre a Operação Furacão, que aconteceu em 2007. A investigação desvendou um esquema de venda de decisões judiciais, capitaneado pelos barões do jogo do bicho.

A história de outro membro dos esquemas do jogo do bicho também é contada no programa. Capitão Guimarães, assim como Malhães, teve envolvimento em casos de detenção ilegal, tortura e execução durante a ditadura militar.

Cecília Coimbra, presa na ditadura e vítima do Capitão Guimarães, deu seu depoimento à CNN. "Fui encapuzada, você não via com quem estava falando e nua...e choques elétricos”.

Depois da ditadura, ele virou patrono da escola de samba Vila Isabel e se envolveu com bicheiros. Guimarães foi condenado a 48 anos de prisão por corrupção ativa, formação de quadrilha e contrabando, mas foi beneficiado por uma decisão do STF e foi libertado. 

Apresentado por Evaristo Costa, o Séries Originais começa às 19h20, aos domingos, na CNN.

A CNN está no canal 577 nas operadoras Claro/Net, Sky e Vivo. Para outras operadoras, veja aqui como assistir à CNN.

Séries Originais é transmitido também ao vivo pelo site da CNN.