82% dos prefeitos do Brasil dizem que não retornam às aulas presenciais em 2020


Por Paula Forster, da CNN, em São Paulo
15 de outubro de 2020 às 09:00 | Atualizado 15 de outubro de 2020 às 11:32

Estudo conduzido pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) com 3.988 cidades, cuja representação corresponde a 71,6% do total do país, aponta que 82% dos prefeitos acreditam que não será possível retomar o ensino presencial das escolas da rede pública ainda neste ano e quase 94% não têm data definida para o retorno.

O cenário é reflexo das preocupações e incertezas em relação à pandemia do novo coronavírus. A parcela de gestores (17%) que acredita na possibilidade de reabertura das instituições ainda em 2020 só irá adotar o processo de retomada gradual com a garantia da queda do contágio da doença e, também, a disponibilidade de vacina.

A pesquisa foi divulgada na manhã desta quinta-feira (15/10) e a abrangência territorial representa 31,4 milhões de estudantes da educação básica, sendo 14,6 milhões das redes municipais.

Leia também:
Estabelecimento do RJ é interditado suspeito de vender carne de pombo

Bombeiros controlam incêndio em área de conservação em Pernambuco

Sala de aula vazia

Tempos de salas de aula vazias ainda não têm data para acabar, mas será neste ano, segundo governo mineiro

Foto: CNN (23.set.2020)


Investimento no ensino remoto

Diante do atual cenário, 97,5% das administrações municipais consultadas têm investido em recursos para reforçar a aprendizagem à distância. Dentro desta amostragem, pouco mais de 98% alegou que está distribuindo material impresso como alternativa para equalizar as desigualdades referente ao acesso aos meios digitais.

Junto a esta estratégia, outras atividades são realizadas: 86,4% responderam que enviam atividades por meio de aplicativos de mensagens instantâneas e 70,6% capacitam os docentes para o ensino remoto.

A paulistana Mariana Teixeira da Silva, mãe da Mirella de 14 anos, que está no oitavo ano do ensino fundamental da rede municipal não aprova o ensino à distância.

“Começou em maio, quando ainda não tinha material didático. Depois, com a criação de um aplicativo pela prefeitura, as atividades e aulas eram disponibilizadas lá. Minha filha ficou semanas e meses sem respostas e eu que corria atrás das dúvidas. Ela já é uma adolescente, mas infelizmente não está conseguindo acompanhar”. Mas ao mesmo tempo, se questiona: “Como é que vai voltar as aulas presenciais se ainda não há cura para a doença?”, diz.

 

Perspectivas de retomada

Segundo a pesquisa, 2.811 municípios já estão com planos de retorno elaborados ou em fase de elaboração e pouco mais de 72% já possuem comitê ou colegiado interdisciplinar com profissionais de Educação e Saúde para a elaboração de ações em conjunto.

A reabertura das escolas também exige investimento financeiro, além dos gastos convencionais, que representa 25% do orçamento total dos municípios. Isso porque é necessária a compra de equipamentos de proteção individual (EPIs) para docentes e estudantes, além da adaptação dos fluxos de ingresso e saída do colégio e da infraestrutura de espaços em comum, banheiros e salas de aula. 

Segundo o levantamento, para 81,5% dos municípios, o mínimo de 25% dos recursos de educação já está comprometido. Mesmo com as instituições fechadas, os gastos referentes à manutenção, material didático e salário dos professores continuaram.  

“O Ministério da Saúde disponibilizou R$ 454 milhões para atender a todas as escolas do país, neste processo de adaptação. Acontece que apenas para aquisição de EPIs para os alunos, por exemplo, em todas as regiões do Brasil, o custo é de R$ 3,2 bilhões, considerando a rede estadual e municipal, e de R$ 1,8 bilhão apenas para as redes municipais”, explica a consultora de educação da CNM, Selma Manique.

Para os cálculos, a Confederação Nacional de Municípios levou em conta o número de alunos matriculados nos municípios, tanto em escolas municipais quanto estaduais.