Brasil alcança a marca de 759 mil presos

30% continuam sendo de presos provisórios, ou seja, estão na mesma condição alegada pelo traficante André do Rap para obter a liberdade

Basília Rodrigues
Por Basília Rodrigues, CNN  
15 de outubro de 2020 às 10:15
Presídio em São Paulo
Foto: Arquivo/ Agência Brasil

O novo mapa do sistema carcerário no Brasil mostra que aumentou de 755 mil para 759 mil o número de presos no Brasil, em diferentes regimes prisionais. Os dados são de janeiro a junho deste ano, foram obtidos pela CNN e vão ser divulgados pelo Departamento Penitenciário Nacional (Depen), órgão do Ministério da Justiça, por meio do Sisdepen, ferramenta de estatísticas do sistema penitenciário brasileiro.

Desses, 30% continuam sendo de presos provisórios, ou seja, estão na mesma condição alegada pelo traficante André do Rap para obter a liberdade.

Leia também:
STJ autoriza soltura de presos que dependam de fiança para ter liberdade
Supremo forma maioria para que André do Rap volte para a prisão

O número total também inclui 51,8 mil presos que estão sob monitoramento de tornozeleira eletrônica, no Brasil. A partir de agora, o painel de dados traz informações mais detalhadas sobre o uso desse equipamento, como o recorte por estado, quantos usam e qual a disponibilidade.

Quando levada em consideração a taxa de aprisionamento, que mede a quantidade de presos a cada 100 mil habitantes, a situação melhorou. De acordo com o governo, a taxa caiu de 359,40% para 323,04%, no primeiro semestre deste ano, em comparação com o semestre anterior.

O déficit de vagas no sistema carcerário também diminuiu de 312 mil para 231 mil. Este é o número de vagas que estão em falta no sistema atualmente.

A maior parte dos presos tem entre 18 e 24 anos, o que corresponde a quase 160 mil presos. No segundo maior grupo, aparecem presos de 25 a 29 anos. No total, a população carcerária é predominantemente masculina. Apenas 5% são mulheres.