Prefeitura de SP libera volta às aulas para o ensino médio em 3 de novembro

A medida é válida para as escolas públicas e particulares

Da CNN*
22 de outubro de 2020 às 12:58 | Atualizado 22 de outubro de 2020 às 14:03


 

A Prefeitura de São Paulo anunciou a volta às aulas presenciais para o ensino médio a partir do dia 3 de novembro. A medida é válida para as escolas públicas e particulares. O retorno às aulas é facultativo.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), confirmou o retorno, após análise do censo sorológico promovido pela prefeitura. Cerca de 65 mil alunos, funcionários da rede municipal do município foram testados e 13,2% já tiveram contato com o novo coronavírus.

No entanto, para o ensino fundamental e infantil continuará valendo a liberação apenas das atividades extracurriculares, já autorizadas por Covas.

Para a volta, a pasta realizará o acolhimento dos alunos. Além disso, uma prova será feita para entender o nível de aprendizado dos estudantes após meses de ensino remoto.

Uma pesquisa divulgada na última semana apontou que oito em cada dez paulistanos são contrários ao retorno das aulas presenciais ainda em 2020. Os dados são do levantamento Ibope/TV Globo/Estadão sobre as eleições para a Prefeitura e outros temas do momento.

Leia e assista também:
Oito em cada dez paulistanos são contrários à volta das aulas presenciais
Escolas particulares do Rio terão que assinar protocolo sanitário para voltar
Prefeitura de SP fará blitze com 300 fiscais em escolas particulares

Sala de aula com distanciamento social 
Foto: Reprodução/CNN Brasil (19.out.2020) 

O Ibope fez a seguinte pergunta aos 1.001 entrevistados: "A secretaria de Educação tem discutido sobre uma possível volta às aulas ainda neste ano. O(a) sr.(a) é a favor ou contra?" Apenas 17% responderam ser a favor, e 81%, contrários. Entre as mulheres, 84% se manifestaram contra, e 15% a favor.

Por causa da pandemia de Covid-19, as aulas na capital paulista estavam suspensas desde março. No início deste mês, o prefeito autorizou a abertura de escolas públicas e particulares apenas para atividades extracurriculares.

(*Com informações de Estadão Conteúdo)