Governo destina R$ 228 milhões a indígenas e quilombolas afetados por pandemia

Segundo o governo, a medida vai permitir que mais de 612 mil famílias prejudicadas com a paralisação de atividades sejam beneficiadas com cestas básicas

Fernando Alves e Bia Gurgel, da CNN, em Brasília
27 de outubro de 2020 às 08:41
Mais de 30 mil indígenas foram infectados com o novo coronavírus
Foto: Marcello Casal Jr. - 19.abr.2019 / Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou uma medida provisória que abre crédito extraordinário, no valor de R$ 228 milhões, destinado a ações voltadas a povos indígenas, quilombolas, pescadores artesanais e extrativistas afetados pela pandemia da Covid-19. O texto foi publicado no Diário Oficial da União desta terça-feira (27).

Assista e leia também: 
Governo edita MP para permitir barreiras sanitárias em terras indígenas
Indígenas utilizam tecnologia para monitorar Covid-19 no Alto Xingu
Plenário do STF mantém medidas de proteção a indígenas na pandemia

De acordo com o governo federal, a medida vai permitir que mais de 612 mil famílias prejudicadas com a paralisação de atividades sejam beneficiadas com cestas básicas por um período de três meses – R$ 76 milhões mensais. 

O texto tem como base a Lei 14.021/2020, sancionada por Bolsonaro em julho, que trata sobre as ações a serem adotadas para conter a disseminação da Covid-19 entre indígenas, quilombolas, pescadores e comunidades tradicionais.  A legislação determina que sejam adotadas ações emergenciais para garantir a segurança alimentar desta parcela da população. 

Até o fim da tarde dessa segunda-feira (26), havia 32.052 casos confirmados do novo coronavírus e 471 mortes entre indígenas, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).