Ministério da Saúde soube em 2019 de problemas no Hospital de Bonsucesso

Responsável pela administração do Hospital Geral de Bonsucesso, onde um incêndio ocorreu na desta terça-feira, o governo federal confirma três mortes

Leandro Resende
Por Leandro Resende, CNN  
27 de outubro de 2020 às 13:54 | Atualizado 27 de outubro de 2020 às 22:03

 

Responsável pela administração do Hospital Geral de Bonsucesso, onde um incêndio ocorre desde o final da manhã desta terça-feira (27), o Ministério da Saúde foi informado em agosto do ano passado de que o sistema de prevenção e combate ao fogo na unidade era precário.

Segundo o governo federal, três pessoas morreram.

Um relatório feito pelo Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS) chegou ao conhecimento do então ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta no dia 7 de agosto de 2019, de acordo com ofício protocolado na pasta para “para conhecimento e providências urgentes”.

O relatório foi elaborado em abril do ano passado e apontou 27 riscos de incêndio no Hospital de Bonsucesso. O texto foi usado pela Defensoria Pública da União para notificar a direção do Hospital.

Leia e assista também

Incêndio é controlado em hospital no Rio; três pacientes morrem

De acordo com o documento, essas avarias foram detectadas ao longo dos últimos dez anos, e agravados pelo início de uma obra de reforma contratada no ano de 2010. O documento aponta as seguintes falhas: 

— O sistema de prevenção e combate a incêndio é precário e não existe plano de prevenção e combate a incêndio aprovado pelo Corpo de Bombeiros ou licença.
— Não existe sistema de detecção de fumaça e sprinklers. 
— Hidrantes estão em situação insatisfatória, alguns desativados, assim como as mangueiras.
— Não existem elevadores à prova de fogo.
— No sistema de ar-condicionado do prédio, o sistema elétrico é aparente e pode ocasionar acidentes.
— Transformador da subestação principal: registra superaquecimento 148,6°C, com alto risco de explosão, de morte para os operadores e inoperância total do sistema elétrico.

Procurado, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta ainda não respondeu. O Ministério da Saúde informou que lamenta profundamente a perda de uma paciente durante a transferência.

Logo nos primeiros instantes, foram removidos 162 pacientes do prédio 1 para o 2, e realizadas transferências para outras unidades de saúde. A paciente não resistiu. A Pasta acompanha o trabalho das equipes de resgate para garantir a segurança dos pacientes e profissionais que estavam presentes no local.