PF investiga ligação de milícia com candidatos às eleições municipais do Rio

Os agentes cumprem 12 mandados de busca e apreensão em residências, comitês de campanhas e empresas ligadas aos envolvidos

Jéssica Otoboni, da CNN, em São Paulo
12 de novembro de 2020 às 07:04 | Atualizado 12 de novembro de 2020 às 11:31

 

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (12) a Operação Sólon, que investiga a prática de formação de organização criminosa e lavagem de dinheiro ligados a crimes eleitorais na cidade do Rio de Janeiro.

Os agentes cumprem 12 mandados de busca e apreensão em residências, comitês de campanhas e empresas ligadas aos envolvidos. Foram apreendidos dinheiro em espécie, notebooks e celulares.

Assista e leia também:
Datafolha no RJ: Paes lidera com 34%; Crivella, 14%; Martha, 11%; Benedita, 8%
É crime eleitoral tirar foto da urna? O que não se pode fazer na hora do voto
Operação do MP investiga fraudes em contratos de alimentação de presos no RJ

Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão na Operação Sólon
Foto: Paula Martini - 12.nov.2020 / CNN

A corporação identificou que integrantes de uma das maiores milícias do Rio estariam almejando cargos no Legislativo e no Executivo nas eleições de 2020, "para retomar o poder que possuíam na zona oeste do município", segundo a PF.

O ex-vereador Jerônimo Guimarães Filho, conhecido como Jerominho, e o ex-deputado estadual e irmão de Jerominho, Natalino, são alguns dos alvo da operação. Eles já foram detidos em 2007, condenados e presos por quase 11 anos acusados de chefiar uma das maiores milícias da capital fluminense, com reduto em Campo Grande, na zona oeste.

Jerominho chegou a anunciar que concorreria à prefeitura do Rio de Janeiro, mas desistiu em julho alegando problemas de saúde.

Um dos alvos da ação desta manhã é o ex-vereador Jerônimo Guimarães Filho, conhecido como Jerominho
Foto: Paula Martini - 12.nov.2020 / CNN

Por meio da análise de Relatórios de Inteligência Financeira (Rifs), também foram observadas "movimentações financeiras atípicas nas empresas ligadas aos investigados". Esse dinheiro provavelmente seria destinado aos gastos de campanhas eleitorais, informou a Polícia Federal.

Os suspeitos podem responder pelos crimes de organização criminosa, lavagem de dinheiro e outros ligados a crimes eleitorais. 

Em razão da lei que proíbe o cumprimento de mandados de prisão contra candidatos faltando menos de 15 dias para as eleições – e de eleitores a menos de 5 dias do pleito –, não há realização de prisões na ação desta quinta.

(Com informações de Thayana Araújo e Paula Martini, da CNN, no Rio de Janeiro, e Giovanna Bronze, da CNN, em São Paulo)

O irmão de Jerominho, Natalino, também é alvo da operação de hoje
Foto: Paula Martini - 12.nov.2020 / CNN