Após investigação do MPF, polícia alemã apreende 60 fósseis brasileiros

Material seria comercializado online de forma ilegal; autoridades irão devolver relíquias para o Brasil

Gabriela Coelho, da CNN, de Brasília
18 de novembro de 2020 às 13:49
Fósseis brasileiros seriam comercializados online de forma ilegal na Alemanha
Foto: Divulgação/MPF/URCA

A polícia alemã apreendeu na segunda-feira (16) fósseis brasileiros que seriam comercializados online de forma ilegal, após investigação realizada pelo Ministério Público Federal em Juazeiro do Norte (CE), que revelou 60 espécimes oriundos da Chapada do Araripe, região do Cariri, no sul do Ceará, e estavam à venda por mais de 100 mil euros pela empresa alemã Fossils Worldwide, em um site hospedado na Holanda.

O material inclui um pterossauro, uma raia, insetos e aracnídeos. De acordo com o MP, a pessoa responsável pela comercialização do material também foi identificada. De acordo com a Constituição Federal brasileira, os recursos minerais, incluindo os fósseis, são bens da União.

Leia também:
Joias e ouro: veja itens apreendidos em ação que apura suposto crime na Receita

O procurador da República responsável pelo caso, Rafael Rayol, explicou que a apuração teve início após dois biólogos reportarem o caso ao MPF. Eles tiveram acesso ao site de leilões e verificaram que havia fósseis brasileiros à venda. O próprio anúncio dizia que o material era proveniente do Brasil.

"Assim que tivemos notícia do leilão, instauramos procedimento investigatório criminal para apurar o caso e acionamos as autoridades alemãs. Os sites foram retirados do ar, mas, antes disso, conseguimos preservar todas as provas e formalizamos o pedido de repatriação do material, que tem grande valor científico para o Brasil”, explicou.