No Rio de Janeiro, doações sustentam carnavalescos durante a pandemia


Jairo Nascimento e Lucas Janone da CNN, no Rio
22 de novembro de 2020 às 14:39
Escola de samba em desfile de Carnaval no Rio

Escola de samba em desfile de Carnaval no Rio

Foto: Reprodução/CNN (25.set.2020)

Dentre tantos setores afetados pandemia, as escolas de samba tiveram que interromper quase todas atividades e ainda não têm perspectiva do desfile em 2021. O prejuízo levou a demissões e incertezas. Os funcionários dos barracões se viram sem trabalho e dependendo de ações sociais para sobreviver. Para mitigar os efeitos, os envolvidos estão sobrevivendo com doações.

Os funcionários das Beija Flor, Nilópolis, e Acadêmicos do Salgueiro recebem uma cesta básica por mês para conseguirem se alimentar. 

De acordo com o diretor de carnaval, Dudu Azevedo, a escola de samba de tenta ajudar os colaboradores mesmo sem arrecadamento desde agosto por conta das regras impostas pela Covid-19. “A escolha do samba enredo atrai muita gente para a quadra de agosto até outubro. Ano passado, tivemos mais de 6 mil pessoas durante a decisão final. Perdemos uma arrecadação impensável em 2020. Além dos shows, claro”, afirmou Azevedo.

Leia também:

Rio de Janeiro: taxa de ocupação dos leitos de UTI do SUS chega a 79%

Lotação de leitos por Covid-19 prejudicará cirurgias, alerta infectologista

A reabertura em breve dos barracões das escolas de samba devem aliviar a situação financeira dos funcionários responsáveis pela confecção do carnaval. A retomada das atividades ficou mais próxima, após a decisão da Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) de realizar os desfiles de carnaval em julho, caso haja vacina.

Já o carnavalesco Leandro Vieira, da Mangueira, criou uma vaquinha virtual para conseguir pagar os 60 artesões de sua equipe. Até o momento, ele conseguiu arrecadar R$ 8 mil. A meta é chegar a R$ 30 mil. 

Antes das doações, Leandro Vieira usou o auxílio emergencial disponibilizado para manter o salário dos funcionários em dia. Com o fim do benefício em dezembro, o carnavalesco não teria como realizar os pagamentos. 

A data para um possível carnaval ainda não foi definida no Rio. Cidades como São Paulo e Salvador têm trabalhado com a possibilidade da realização da festa em julho de 2021.