Temos buscado cumprir a decisão, diz governador do RJ sobre operações policiais

Ministro Edson Fachin, do STF, vetou açõs policiais em favelas do estado na pandemia de Covid-19

da CNN, em São Paulo
10 de dezembro de 2020 às 18:50 | Atualizado 10 de dezembro de 2020 às 18:53


O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro (PSC), afirmou, em entrevista exclusiva à CNN nesta quinta-feira (10), que tem buscado cumprir a decisão do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), que vetou operações policiais em favelas do estado durante a pandemia do novo coronavírus.

Mais cedo, o governador teve um encontro com o procurador-geral da República, Augusto Aras, e representantes do Ministério Público Federal e Estadual, do Ministério da Justiça e de secretários estaduais de segurança para tratar do assunto.  

Assista e leia também:

Favelas da Região Metropolitana do RJ têm mais casos de Covid-19 que 142 países

Fachin manda governo do Rio explicar operações policiais na pandemia

ONU recebe pedido para investigar morte de garoto de 14 anos no Rio

Familiares de Emily e Rebecca se reúnem com Defensoria Pública

Com máscara de proteção, homem espera ônibus na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro
Foto: Ricardo Moraes - 18.mar.2020/ Reuters


“Aras pediu essa reunião para que a gente entendesse o que o Rio está fazendo para cumprir a decisão do ministro Fachin. Desde que eu assumi a gente tem buscado cumprir a decisão dele. É uma decisão minha para que se cumpra a decisão, mas também dando todo apoio à Polícia Militar e Civil dentro das regras para que possam fazer seu trabalho”, disse.

Segundo ele, foram dadas todas as explicações para o procurador-geral da República e para o Ministério da Justiça. 

O encontro entre eles ocorreu depois que Emily Victoria, de 4 anos, e Rebeca Beatriz Rodrigues dos Santos, de 7 anos, foram mortas em um tiroteio em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Destaques do CNN Brasil Business:

Homem mais rico do Brasil, o banqueiro Joseph Safra morre aos 82 anos

Com Selic em 2%, quanto rende investir R$ 1 mil em poupança, fundos ou títulos?

Airbnb precifica ações acima da faixa estimada no maior IPO dos EUA em 2020

'Carreira em Y' pode explicar por que algumas empresas têm chefes tão ruins

Números mostram que operações continuaram

Reportagem publicada pelo colunista da CNN Fernando Molica mostra que, embora tenha sido proibida, em junho, pelo STF, de fazer operações em favelas "salvo em hipóteses absolutamente excepcionais", a Polícia Militar do Rio de Janeiro realizou 242 dessas ações entre os dias 14 de junho e 2 de dezembro, 1,42 por dia. A relação das operações está numa tabela publicada na página do Ministério Público fluminense.

As mortes causadas por agentes do estado, que haviam despencado em junho - foram 34 contra 130 em maio -, voltaram a aumentar e chegaram a 145 em outubro passado, mês em que houve o maior número de operações da PM: 61, praticamente duas por dia.

Para Pedro Carrielo, defensor público do estado do Rio que atua nos tribunais superiores, o número de operações indica que "a excepcionalidade está virando regra".

A assessoria de imprensa da PM admitiu que não houve "redução significativa" das operações, mas alegou que isso não representa um descumprimento da ordem judicial, já que "o Rio vive uma situação de excepcionalidade".

No dia 5 de junho, o ministro Edson Fachin, do STF, concedeu a medida cautelar Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) impetrada pelo PSB e determinou a suspensão das ações durante a epidemia de Covid 19, a não ser nos casos excepcionais. 

Na decisão, que seria confirmada pelo plenário do STF, o ministro decidiu que as operações que viessem a ocorrer deveriam ser imediatamente comunicadas ao Ministério Público do Rio e mandou que a polícia tomasse cuidados para não colocar em risco a população e prejudicar os serviços de assistência médica. 

No fim de outubro, o PSB, a Defensoria Pública do Rio e outras entidades que ingressaram na ADPF voltaram ao STF e relataram uma série de operações da polícia que terminaram com vítimas, alegaram descumprimento da ordem judicial e pediram a intimação do governador do estado e dos secretários das polícias Civil e Militar.

O grupo reivindicou também que essas autoridades explicitassem os "motivos absolutamente excepcionais que justificaram a realização das operações policiais" por eles indicadas.  

No dia 26 de novembro, Fachin estabeleceu um prazo de cinco dias para que o governo do Rio se explicasse e apresentasse os documentos relativos às ações. Ele determinou também que o Ministério Público do Rio informasse procedimentos tomados para apurar as mortes decorrentes da ação de agentes do estado desde a concessão da medida cautelar pelo STF. 

O ministro ordenou ainda o acionamento do Conselho Nacional do Ministério Público para que este passasse a acompanhar o cumprimento de sua deliberação. 

Em sua resposta ao STF, o MP anexou documentos que tratam da apuração dos casos de mortes em operações e alegou que cabe à polícia fazer o "juízo de valor" sobre "a necessidade emergencial de levar a efeito uma operação policial em comunidade, durante o período de restrição de circulação declarado pelo Poder Público". 

O MP frisou também que criminosos dominam praticamente todas as favelas do estado, "impondo o medo e o terror à população local". Para o MP, "a sensação da presença do Poder Público nessas localidades desestrutura o próprio planejamento das organizações, que as dominam de modo ilícito e declarado".

A CNN perguntou ao MP se os promotores chegaram a avaliar a necessidade de realização das operações desencadeadas depois da decisão do STF. O MP respondeu que o Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça Criminais "não tem notícia de casos em que os promotores tenham discordado das razões invocadas pelas polícias e apenas encaminha as informações aos promotores de Justiça com atribuição". 

Em nota, a PM afirmou que "as operações realizadas para localizar criminosos e apreender armas e drogas são pautadas por informações da área de inteligência e seguem, rigorosamente, as determinações legais, priorizando sempre a preservação de vidas, tanto de policiais quanto dos cidadãos".

(Publicado por Daniel Fernandes)