Pandemia e dificuldade financeira adiam entrada no ensino superior, diz pesquisa

Levantamento mostra que 32% dos estudantes pretendem ingressar no segundo semestre; já 27% deixaram as matrículas apenas para o primeiro semestre do ano que vem

Daniel Corrá, da CNN, em São Paulo
29 de março de 2021 às 12:09 | Atualizado 30 de março de 2021 às 07:14

Menos de um terço dos estudantes brasileiros pretende se matricular no ensino superior ainda no primeiro semestre de 2021. O restante dos alunos deixou a entrada na universidade para o segundo semestre ou para a partir de 2022. Questões financeiras e a pandemia são apontadas como os principais fatores para isso. 

Os dados são de uma pesquisa inédita feita pela startup de educação Amigo Edu, entre 23 e 24 de março, com 1.341 estudantes de todas as regiões do país.

Segundo o levantamento, 27,3% dos estudantes devem se matricular em uma faculdade até junho. Outros 32,4% pretendem ingressar no segundo semestre. Já 27,5% deixaram as matrículas apenas para o primeiro semestre do ano que vem.

Cidades de SP retomaram atividades não curriculares de forma presencial na escol
Pandemia e dificuldades financeiras adiam entrada dos alunos nas universidades
Foto: Divulgação/ Governo de SP

Entre os motivos para postergar a entrada no ensino superior, 41,5% alegam questões financeiras. Outros 23,5%, dizem que a pandemia de Covid-19 tem sido um impeditivo. Além disso, 17,2%  afirmam ter problemas de tempo e 17,3% alegam outros motivos.

“Isso veio muito por conta da segunda onda da pandemia. Sentimos que esse foi um vetor de diminuição na entrada de alunos no 1º semestre de 2021. Quando a nota do Enem sai no momento de maior restrição no país, aqueles que estavam dispostos ao ensino presencial, postergam a entrada na faculdade”, afirma Beto Dantas, CEO da startup e que também tem experiência à frente de instituições de ensino.  

Ensino presencial

Além das potenciais matrículas, a pesquisa também mapeou a satisfação dos estudantes que já estão matriculados num curso de ensino superior. Entre aqueles que estão matriculados na modalidade presencial, 83% afirmam que não estão satisfeitos com as aulas remotas.

Mais da metade dos estudantes (54,9%) ainda afirma que a pandemia impactou muito na qualidade de aprendizado do curso.

Estudante confere cartão-resposta do Enem digital 2020
Estudante confere o cartão-resposta do Enem digital 2020
Foto: Marcello Casal Jr - 8.fev.2021/Agência Brasil

Entre os principais problemas relatados estão dificuldade de aprendizado online, dificuldade de se concentrar à distância e problemas financeiros por causa da perda de emprego durante a pandemia. 

Segundo Dantas, diante destes obstáculos, universidades e alunos precisam caminhar juntos para encontrar soluções quanto à aprendizagem. 

“As universidades melhoraram a entrega do conteúdo. Muitas já estão entregando conteúdo de qualidade e estão preparadas para dar continuidade a essa entrega. Mas, essa transformação do presencial também é um desafio para que os alunos sejam mais disciplinados, mais ativos ao conhecimento e mais autodidatas”, avalia Dantas.