Cheias no Amazonas afetam ao menos 460 mil pessoas; 47 municípios em emergência

À CNN, o secretário executivo da Defesa Civil do estado disse que o nível das águas deve subir até meados de julho

Amanda Garcia, da CNN
28 de maio de 2021 às 12:41 | Atualizado 30 de maio de 2021 às 17:24

As cheias dos rios no Amazonas afetaram ao menos 460 mil pessoas. A informação foi confirmada pelo secretário executivo da Defesa Civil do estado, Coronel Francisco Máximo, em entrevista à CNN Rádio nesta sexta-feira (28).

“Os números são dinâmicos e mudam todos os dias. Hoje, dos 62 municípios do Amazonas, 47 já decretaram situação de emergência”, completou.

O secretário atribui as cheias históricas às mudanças climáticas: “Essas mudanças alteram o ecossistema, tivemos uma cheia diferente de todos os anos, não seguiu a nossa gradação. Nossas nove calhas foram atingidas e provocou um desastre generalizado.”

Enchente na cidade de Boca d'o Acre, AM, em maio de 2021
Foto: Defesa Civil do Amazonas

 

Os níveis dos rios devem continuar subindo até meados da primeira quinzena de julho.

O Coronel Francisco destacou que as cheias, aliadas à pandemia, trazem uma preocupação dobrada para o atendimento de saúde. “A situação traz desdobramentos, prejuízos econômicos, sociais e preocupação com a saúde pública.”

Enchente em Paritins, AM
Foto: Defesa Civil do Amazonas

Segundo ele, “há um esforço conjunto do estado e prefeituras para movimentar as secretarias e levar assistência básica à população.”

O secretário destacou que “já há pessoas desalojadas” e que as autoridades locais estão repassando recursos para prestar auxílio: “Foi lançado um cartão estadual de auxílio a essas famílias, com um valor de 300 reais e já há previsão orçamentária para atender 100 mil famílias.”