PF prende hackers suspeitos de atacar sistemas do STF

Os mandados de prisão temporária são cumpridos no estado de Pernambuco nesta terça-feira (8)

Rafaela Lara, da CNN, em São Paulo, e Vianey Bentes, da CNN, em Brasília
08 de junho de 2021 às 07:08 | Atualizado 08 de junho de 2021 às 09:57

A Polícia Federal (PF) prendeu três membros de uma organização criminosa suspeita de promover ataques cibernéticos contra o Supremo Tribunal Federal (STF). A operação foi deflagrada na manhã desta terça-feira (8). 

As ordens de prisão foram expedidas por determinação do ministro de Alexandre de Moraes. Os agentes da PF cumprem cinco mandados de busca e três de prisão temporária em Goiás, São Paulo, e Pernambuco.

Os mandados de prisão temporária são cumpridos nas cidades de São Francisco, Jaboatão dos Guararapes e Olinda, no estado de Pernambuco.

Em maio, o Supremo abriu inquérito para investigar a tentativa de invasão aos sistemas do STF. O ataque hacker derrubou todos os acessos ao site da Corte, incluindo informações internas, mas não comprometeu dados sigilosos contidos no sistema. 

Segundo a PF, no curso das investigações foram identificados os endereços de onde partiram os ataques, bem como as pessoas que, de forma sistemática e organizada, praticaram os crimes apurados.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de invasão de dispositvo informático de uso alheio e associação criminosa – as penas podem chegar a cinco anos de prisão.

Os agentes da PF estiveram na sede da Corte, em Brasília, ainda em maio.

Na época, o pedido de investigação foi direcionado ao ministro Alexandre de Moraes por entender que essa tentativa de ataque era uma ameaça à instituição e pode ter relação com o inquérito que investiga ameaças e disseminação de notícias falsas contra a Suprema Corte, cuja relatoria é de Moraes.