Acidentes aéreos causaram 50 mortes em 114 ocorrências só neste ano

Acidentes com táxis aéreos, como o que levava Marília Mendonça, estão entre os menos comuns

Flávia MartinsIuri CorsiniThayana Araújoda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Os acidentes aéreos no Brasil em 2021 foram mais fatais que no ano passado, matando 50 pessoas em 114 acidentes até o dia 10 de novembro, o mesmo número de óbitos registrados em todo ano de 2020, que teve 149 ocorrências.

Os números são do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), que aponta ainda que, em 2021, todas as mortes aconteceram em apenas 20 acidentes.

Somente 25% dos acidentes aéreos no Brasil acarretaram em mortes, diz o órgão. Nos últimos 10 anos, já com os números de 2021, foram 1.825 acidentes aéreos e 472 deles foram fatais, com 874 mortes e o ano de 2012 foi o período com mais ocorrências, 205 no total.

Ao longo dos anos, a tendência no número de acidentes e mortes foi de queda, exceto por um ligeiro aumento registrado entre 2017 e 2018, apontam o Cenipa. O último acidente fatal foi o que envolveu a cantora Marília Mendonça e outras quatro pessoas, na última sexta-feira (5).

Neste ano, 29 mortes aconteceram em 47 acidentes com aeronaves particulares. No que diz respeito a táxis aéreos, que foi o caso da ocorrência com Marília Mendonça, o registro é de dez acidentes, mas as únicas mortes registraram foram no voo que levava a cantora.

Falha de motor é a principal causa

A área de investigação do Cenipa ainda apontou que, desde 2011, 63% dos acidentes tiveram fatores operacionais como principal responsável e 35% ocorreram por fatores humanos.

A maior causa dos acidentes nos últimos 10 anos foi falhas de motor, que corresponde a 19,8% dos acidentes, seguida de perto da perda de controle em voo (18,8%). Perda de controle no solo (12,1%) e colisão com obstáculo durante o voo (6,9%) vem em seguida como as principais causas.

Acidentes por segmento

Contabilizando os acidentes por segmento, as aeronaves particulares são as mais expostas, correspondendo a 40,2% dos casos. Em seguida, os voos experimentais, ligados a voos de teste de novas tecnologias, responsáveis por 16,6% dos acidentes.

Voos agrícolas responderam por 15,3% dos acidentes no período, os de instrução, por 13,1%, e os de táxi aéreo, que foi o caso do avião da cantora Marília Mendonça, a 6,4% dos acidentes.

Para o especialista em análises de riscos, Gustavo Cunha Mello, esses dados não são alarmantes. Ele diz que, quando aumenta a quantidade de aviões circulando, existe, invariavelmente, um aumento no número de acidentes.

“Os números estão dentro da normalidade, pois o número de aeronaves aumentou bastante. Eles estão dentro da natureza das operações, da quantidade de aviões, tamanho das frotas etc”, diz Mello.

Para o especialista, os acidentes chamam a atenção e por isso há bastante comoção. “Mas é bom ressaltar que a grande maioria desses acidentes não resulta em vítimas, mas apenas danificam a aeronave”, ressalta.

Regiões com mais ocorrências

São Paulo é a região onde acontece a maior parte dos acidentes com aeronaves. Desde 2011, o estado registrou 1.372 ocorrências. Em seguida, Minas Gerais, com 533 registros, e o Rio de Janeiro, com 475 acidentes. Só em 2021, o estado de São Paulo já registrou 23 ocorrências, Minas Gerais 15 e o Rio de Janeiro, dois.

Investigação em curso

Em relação a investigação que apura o acidente do avião que vitimou a cantora Marília Mendonça e outras quatro pessoas, peritos do Seripa III, órgão vinculado ao Comando da Aeronáutica, analisam a fuselagem e as asas do bimotor para esclarecer as causas da queda da aeronave.

As peças foram entregues na terça-feira (9) na Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro. Nesta quarta-feira (10), a mesma empresa fará a entrega de dois motores à Aeronáutica. Esses motores estão a caminho do Centro de Serviços Aeronáuticos (CSA), em Goiânia.

As investigações também continuam em Minas Gerais. À CNN, o delegado regional de Caratinga, Ivan Lopes Sales, disse que peritos trabalham para saber se o cabo localizado pelas equipes na hélice do avião é o mesmo que rompeu na torre de transmissão.

Segundo especialistas ouvidos pela CNN, a principal questão agora é estabelecer os motivos de a aeronave ter voado abaixo da altitude ideal, que levou a colidir com os cabos da torre elétrica, e se houve problemas mecânicos ou falha humana.

Mais Recentes da CNN