Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Afegãos que estavam acampados no aeroporto de Guarulhos chegam ao abrigo em Praia Grande

    Eles estavam acampados no aeroporto internacional e ao menos 25 foram diagnosticados com escabiose, doença também conhecida como sarna

    Os refugiados afegãos que estavam acampados no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, chegaram na sexta-feira (30) ao abrigo na Praia Grande, litoral do estado.
    Os refugiados afegãos que estavam acampados no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, chegaram na sexta-feira (30) ao abrigo na Praia Grande, litoral do estado. PRF/Divulgação

    Da CNN

    São Paulo

    Os refugiados afegãos que estavam acampados no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, chegaram na sexta-feira (30) ao abrigo em Praia Grande, litoral do estado.

    Um total de 128 afegãos foram escoltados em cinco ônibus pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). Eles estavam acampados no aeroporto internacional de Guarulhos e ao menos 25 refugiados foram diagnosticados com escabiose, doença também conhecida como sarna.

    Os refugiados foram levados para a Colônia de Férias do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas, no bairro Solemar, após tratativas do Governo Federal com o município, disse a PRF.

    Diante da situação sanitária, o Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou que os imigrantes seriam transferidos para Praia Grande.

    “O trabalho está acontecendo em parceria com governo de São Paulo, prefeitura de Praia Grande, prefeitura de Guarulhos, com Acnur (agência da ONU para refugiados), Cáritas e outras entidades da sociedade civil envolvidas com a temática”, informou o ministério, em nota.

    Histórico

    O fluxo de refugiados afegãos se intensificou em fevereiro de 2022, e o volume de pessoas que chega é maior do que a capacidade de atendimento. Por isso, o local virou uma espécie de acampamento para os novos grupos.

    Todos têm o visto humanitário, um documento de acolhida concedido pelo governo federal. A portaria foi publicada em 2021, um mês depois que as tropas americanas encerraram 20 anos de intervenção militar no Afeganistão e o grupo extremista Talibã voltar ao poder. Com isso, milhares de pessoas precisaram fugir do país.

    As vagas de acolhimento são rotativas, e o tempo de permanência varia. As pessoas podem permanecer nos equipamentos por tempo indeterminado até comprovarem condições de moradia autônoma.