Brasil investe R$ 160 bilhões em segurança, mas só R$ 1,9 bilhão em inteligência

No país, nos anos de 2019 e 2020, apenas 1,2% do total gasto com segurança foi para a área de inteligência e informação; RJ é o pior neste quesito

Policial em operação no Jacarezinho, que matou 28 pessoas
Policial em operação no Jacarezinho, que matou 28 pessoas Foto: Vanessa Ataliba/Zimel Press/Estadão Conteúdo

Iuri Corsini, da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

Um levantamento feito pela CNN com base no Anuário Brasileiro de Segurança Pública 2021, mostra que todos os 27 estados brasileiros investiram R$ 157,7 bilhões em segurança pública nos últimos dois anos, mas apenas R$1,9 bilhão foram destinados à inteligência e informação. Sendo assim, o Brasil investiu, nos últimos dois anos, apenas 1,2% do total gasto com segurança na área de inteligência e informação. 

Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro foram os que mais investiram, respectivamente, em segurança pública nos anos de 2019 e 2020. Enquanto São Paulo teve mais de R$ 24 bilhões em despesas com segurança, o Rio de Janeiro teve quase R$ 20 bilhões em gastos. No entanto, ao contrário do estado paulista, que foi o segundo que mais investiu em inteligência e informação, o Rio de Janeiro foi um dos que não destinou verbas para esse setor.  

No levantamento feito pela CNN, utilizando os dados do Anuário, dentre os cinco estados (incluindo o Distrito federal) que mais investiram em segurança pública, apenas o estado de São Paulo aparece entre os cinco que mais investiram em informação e inteligência.

Enquanto São Paulo (1º), Rio de Janeiro (2º), Minas Gerais (3º), Rio Grande do Sul (4º) e Bahia (5º) foram os que mais tiveram despesas com segurança nos anos de 2019 e 2020, quem lidera no quesito investimentos em inteligência e informação são os estados do Paraná (1º), São Paulo (2º), Distrito Federal (3º), Rondônia (4º) e Ceará (5º). 

Dentre os cinco estados citados acima que mais investiram em inteligência, o distrito federal é o que tem um maior percentual proporcional de recursos da segurança pública voltado para essa área. Do total investido, 16,5% foram para a área de informação e inteligência. Depois aparece o estado de Rondônia, que gastou 13,7% do total com inteligência, seguidos pelo Paraná, com 8,3%, São Paulo, com 1,3% e Ceará, com 1%. 

Paulo Storani, especialista em segurança pública e membro da polícia do Rio de Janeiro por 17 anos, explica que a inteligência é importante tanto para a prevenção quanto para a repressão de crimes. Engloba análise de informações, coleta de dados e treinamento de pessoal, com cursos, inclusive no exterior. “É importante para a qualidade do planejamento e, consequentemente, na solução de crimes. Engloba desde a preparação do policial, a integração entre as polícias e equipamentos para ajudar nas investigações e operações” 

Para o professor José Ricardo Bandeira, presidente do Instituto de Criminalística e Ciências Policiais da América, o não investimento em inteligência faz com que crimes como o assassinato da vereadora Marielle Franco fiquem impunes.

“Polícia que não tem inteligência é cega e surda, não tem informações suficientes para desvendar crimes”. Ele acrescenta que, com investimento nessa área, é possível evitar, por exemplo, o tráfico de drogas e armas, o que evitaria a criminalidade, principalmente, no contexto do Rio de Janeiro.  

Situação do Rio de Janeiro

Nos últimos 10 anos, menos de 1% dos gastos com segurança pública no estado do Rio foram direcionados para inteligência e informação. Apesar de ser um dos estados com as maiores despesas em segurança pública do país, o Rio é um dos piores quando se fala sobre investimentos em inteligência. 

Para o professor Daniel Hirata, especialista em segurança pública da Universidade Federal Fluminense (UFF), principalmente no contexto do Rio de Janeiro, o investimento em segurança pública deveria ser maior. “É importante otimizar os recursos já existentes e investir em novos. Inteligência não é só aquisição de equipamentos. É algo muito maior para tornar as ações policiais mais eficientes.” 

Entre 2010 e 2020, foram gastos mais de R$ 86 bilhões em despesas totais na segurança pública do Rio, mas apenas cerca de R$ 120 mil foram empenhados para aprimorar as áreas de informação e inteligência. 

O estado do Rio de Janeiro é o que tem maior número de registros de mortes em intervenções policiais. Só em 2020 foram 775 vítimas. Além disso, somando os anos de 2019 e 2020, 85 policiais (civis e militares) morreram no estado fluminense, em decorrência ou de confrontos em serviço, ou por lesão não natural ou confronto fora de serviço. É o estado que lidera essa estatística.  

O governo do estado do Rio respondeu à nossa produção dizendo que essas informações são de competência das polícias Civil e Militar.  

Em nota, a Polícia Militar do Rio de Janeiro informou que “ao contrário da informação apresentada pelo Anuário”, a corporação investiu “maciçamente em tecnologia aplicada à área de inteligência, desde janeiro de 2019”. No entanto, a PM do Rio não respondeu quanto foi investido na área de inteligência desde 2019 até então. 

Já a Polícia Civil, até o momento, não respondeu aos nossos questionamentos.

Mais Recentes da CNN