Brasileira é vítima de feminicídio em Sydney, na Austrália

Família diz que Daiane Pelegrini, de 33 anos, será sepultada na Austrália, onde deixou uma filha

Bruna Ostermann, da CNN, em Porto Alegre

Ouvir notícia

Uma brasileira que vivia na Austrália foi morta a facadas na terça-feira (4), em Sydney, depois de ter sido vigiada e perseguida por um homem com quem havia se relacionado. Ele foi preso em flagrante pela polícia local. A família de Daiane Pelegrini, de 33 anos, decidiu sepultar o corpo da estudante de enfermagem em Sydney, onde vivia e tinha uma filha. 

“Ela não queria mais voltar para cá. Então a gente respeitou o desejo dela. E assim, ela pode ficar perto da filha”, explicou a irmã da vítima, Gisele Pelegrini, à CNN

Leia mais:
Com violência doméstica em alta na pandemia, feminicídios crescem 22% no país
Governo cria protocolo para investigação de feminicídios

Natural de Lajeado, no Rio Grande do Sul, Daiane foi para Austrália há quase cinco anos, com o então marido e a filha. O casal se separou um tempo depois.

De acordo com Gisele, a irmã contou para uma amiga, aqui no Brasil, que tinha se relacionado com um homem que começou a vigiá-la e perseguir. Com medo, ela disse que rompeu o contato e fez até registro de ocorrência na polícia de Sydney, onde vivia. 

Ainda de acordo com a irmã, o homem atacou Daiane a facadas, quando ela chegava em casa, acompanhada de um amigo. Após matar a brasileira, o suspeito ficou ao lado do corpo, até a chegada da polícia. Ele foi preso em flagrante.

A família soube do fato porque a polícia foi até a escola da filha da vítima. A direção da instituição de ensino ligou para o ex-marido, que avisou os parentes, no Brasil. 

A expectativa é de que o corpo seja liberado entre sexta-feira e sábado.

Daiane Pelegrini vivia na Austrália, onde tinha uma filha
Daiane Pelegrini vivia na Austrália, onde tinha uma filha
Foto: Arquivo Pessoal

 

Tópicos

Mais Recentes da CNN