Brasília 60 anos: Os ilustres desconhecidos do poder

De engenheiros a barbeiros: quem são os brasileiros que frequentam os bastidores da política na capital

Séries Originais: Episódio conta as histórias de quem faz a engrenagem da capital brasileira girar
Séries Originais: Episódio conta as histórias de quem faz a engrenagem da capital brasileira girar Foto: CNN

Fabiana Lopes*

Ouvir notícia

Sessenta anos depois, Brasília, a cidade que nasceu da poeira vermelha do cerrado, já abriga mais de três milhões de moradores. Alguns, como o secretário-geral da Mesa no Senado, convivem diariamente com personagens famosos da política brasileira. 

Talvez o mais difícil nesse meu período como secretário-geral da Mesa tenha sido o impeachment da presidente Dilma Roussef”, lembra o pernambucano Luiz Fernando Bandeira de Mello. Foi com a caneta dele que a petista assinou o documento que a afastava do cargo.

Com mais de 23 mil funcionários, o Congresso Nacional tem engrenagens próprias. E bastidores curiosos, como conta o barbeiro do Senado há mais de 20 anos, Antônio Omar: “Eu já cortei cabelo do José Sarney, do Itamar Franco, do Collor de Melo, enfim, de todas essas autoridades. Eu estava atendendo o Sarney uma vez e houve um problema entre eu e ele. Por causa disso, nós ‘se intrigamos’, nós não falamos mais um com outro. Mas não posso falar o que aconteceu”, relembra Antonio.

Leia também

Brasília 60 anos: busca por interiorizar o país ou blindar a classe política

O engenheiro Kleber Farias e a esposa Ana Maria conheceram bem os bastidores do poder desde o início da construção de Brasília. Chegaram da antiga capital, o Rio de Janeiro, para trabalhar na construção da cidade e presenciaram a transformação do antigo planalto deserto em cenário de luxuosas festas. “A primeira festa do Itamaraty foi a festa da rainha Elizabeth. No Itamaraty uma festa com uma rainha, a sociedade toda presente. Eu fiz um vestido longo e lá fomos nós para a festa que foi super importante”, anota Ana Maria.

Já Omar Abudd é consultor legislativo há 35 anos, e tem a missão de redigir pronunciamentos para os senadores. Mas nem todos os políticos utilizam o serviço dele. “Você tem aqueles que têm o dom da oratória e que gostam de fazer o seu próprio discurso. Mário Covas era um deles”, conta. Alguns textos que escreveu marcaram a história e enchem de orgulho o consultor. “Fazendo um discurso sobre corrupção, eu citei uma frase do doutor Ulisses, que é para mim é um primor. Ele diz naquele discurso que a corrupção é o cupim da democracia”, complementa. 

Apresentado por Evaristo Costa, o Séries Originais vai ao ar aos domingos, às 19h, na CNN. Conheça qual é o canal na sua operadora para assistir aos outros episódios.

*Da DOC. Films, especial para a CNN Brasil

Mais Recentes da CNN