Caso Henry: Depoimento de Jairinho é adiado e Monique é dispensada de interrogatório

Sessão foi adiada pela 2ª Vara Criminal do Rio de Janeiro para o dia 13 de junho; Depoimentos já tinham sido remarcados para o dia 1º de junho

À esquerda Dr. Jairinho, à direita Monique Medeiros com o filho Henry Borel
À esquerda Dr. Jairinho, à direita Monique Medeiros com o filho Henry Borel Arte/CNN

Beatriz Puenteda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

O interrogatório do ex-vereador Jairo Souza Santos Junior, o Dr. Jairinho, foi adiado, nesta sexta-feira (13), pela segunda vez pela 2ª Vara Criminal do Rio, no caso da morte de Henry Borel.

A pedido da defesa, ele será ouvido no dia 13 de junho. O depoimento já tinha sido adiado uma vez, na última semana, quando o dia 1º de junho foi definido para o interrogatório do ex-vereador.

Já Monique Medeiros, mãe de Henry e também ré no processo, foi dispensada de comparecer. A defesa argumentou que ela já prestou depoimento por cerca de 11 horas em fevereiro deste ano. Ela está em prisão domiciliar há um mês.

O ex-vereador e a professora são acusados pelo Ministério Público de homicídio triplamente qualificado pela morte de Henry Borel, de 8 anos, no dia 8 de março do ano passado. O menino teria sofrido torturas no apartamento em eles que moravam na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Ambos negam os crimes.

 

Além de Jairinho, também serão ouvidos os peritos criminais Leonardo Tauil e o assistente técnico Sami El Jundi, indicado pelos advogados do ex-vereador.

Andamento do processo

O depoimento do ex-vereador é a última etapa antes do julgamento. No dia 8 de fevereiro, Jairinho se recusou a responder perguntas em depoimento. Já Monique Medeiros deu sua versão dos fatos por cerca de 11 horas.

Com o fim da instrução do processo, a juíza do caso, Elizabeth Machado Louro, irá decidir entre cinco opções para o julgamento de ambos: júri popular, absolvição, impronúncia (suspensão do julgamento), desclassificação do crime de homicídio ou pode optar por caminhos diferentes para cada réu.

Mais Recentes da CNN