Caso Henry: Jairinho não responde questionamentos feitos em audiência

Defesa do ex-vereador pediu que depoimento não fosse filmado, solicitação foi acatada pela justiça

Bruna Carvalhoda CNN

no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

A defesa do ex-vereador Jairo Souza dos Santos Junior, conhecido como Dr. Jairinho, pediu para que a Justiça impedisse que o interrogatório do réu fosse filmado ou gravado pela imprensa. A justiça acatou o pedido.

O interrogatório começou por volta das 11h20, com quase duas horas de atraso. Durante o interrogatório na manhã desta quarta-feira (09) o ex-vereador decidiu não responder alguns questionamentos feitos pela juíza Elisabeth Machado.

No início da audiência, ele foi questionado pela magistrada em relação as acusações.

“Há 10 meses eu peço que ouçam os peritos. Eu juro por Deus que eu nunca encostei a mão em um fio de cabelo do Henry” afirmou Jairo.

Em seguida, ele foi questionado sobre o que teria acontecido em 8 de março de 2021, data em que Henry Borel faleceu.

“Pra minha autodefesa eu preciso que sejam feitas algumas diligências que não foram cumpridas. Preciso das imagens do IML, preciso das imagens do hospital, do exame toxicológico e do raio x que foi dito que foi feito”, disse Jairo.

Em seguida, a juíza questionou por três vezes se ele responderia as perguntas. Diante da negativa do acusado, ele foi orientado a deixar o tribunal.

Logo em seguida Monique Medeiros, mãe de Henry, foi chamada de volta ao local para ser interrogada.
Inicialmente, ela pediu para fazer uma ordem cronológica da vida antes de ser questionada.

Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março
Henry Borel, de 4 anos, morreu em 8 de março / Foto: Reprodução/Redes Sociais

Mais Recentes da CNN