Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Coletivo judaíco faz ato em SP em favor de cessar-fogo em Gaza e libertação de reféns

    Ato do grupo Judias e Judeus Pela Democracia — SP também repudiou os "ataques hediondos do Hamas" contra Israel e as operações militares em Gaza, classificadas como "massacre" 

    Manifestantes se reuniram na Praça dos Arcos, na região da Avenida Paulista, em São Paulo
    Manifestantes se reuniram na Praça dos Arcos, na região da Avenida Paulista, em São Paulo Divulgação/Judias e Judeus Pela Democracia - SP

    Da CNN

    São Paulo

    O coletivo Judias e Judeus Pela Democracia — SP promoveu, neste domingo (26), um ato a favor do cessar-fogo entre Israel e Hamas e a libertação imediada e incondicional dos reféns.

    A manifestação ocorreu na Praça dos Arcos, na região da Avenida Paulista, em São Paulo, e contou também com a participação de entidades e representantes religiosos, dos movimentos negro, LGBTQI +, entre outros grupos de defesa dos direitos humanos.

    Com faixas e cartazes, o grupo repudiou os “ataques hediondos do Hamas” contra Israel e as operações militares em Gaza, classificadas como “massacre”.

    O coletivo também defendeu o direito de palestinos e israelenses a terem um território soberano e “sob regimes verdadeiramente democráticos”.

    “Nos posicionamos pelo fim das ocupações e dos assentamentos. Repudiamos fundamentalismos, teocracias, regimes autoritários e de terror”, informou o coletivo.

    Confira abaixo o manifesto na íntegra: 

    “Somos judias e judeus brasileiros. Nos juntamos às vozes que se levantam contra o massacre em curso em Gaza, a favor do cessar-fogo, pela libertação imediata e incondicional dos reféns, e denunciamos os ataques hediondos do Hamas.

    Estamos profundamente afetados com a crescente onda de antissemitismo, que aproveita do trágico momento para apagar a diversidade de posições entre israelenses
    e judeus, ativando antigos estereótipos racistas, aumentando a violência e enfraquecendo as vozes que lutam pela paz.

    Defendemos veementemente o direito de palestinos e israelenses a terem um território onde possam viver em paz, de forma soberana e sob regimes verdadeiramente democráticos. Nos posicionamos pelo fim das ocupações e dos assentamentos. Repudiamos fundamentalismos, teocracias, regimes autoritários e de terror.”

    Veja também: Terceiro grupo de reféns chega a Israel