Curitiba fecha acordo com São Paulo para distribuição de vacina

Parceria visa adquirir doses da Coronavac para imunização dos curitibanos contra o novo coronavírus

Will Marinho, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

O prefeito reeleito de Curitiba, Rafael Greca (DEM), fechou acordo com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para a compra de doses da vacina CoronaVac para imunização da população da capital. 

Desde que anunciou a venda de 4 milhões de doses da vacina para outras partes do país, o governo de São Paulo recebeu alguns pedidos de reserva do material, sendo Curitiba uma das primeiras da fila. A vacina é produzida pela empresa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan (SP).

Leia e assista também:

‘Não somos parceiros, somos árbitros da vacina’, diz Anvisa sobre testes
Governos federal e de SP deveriam se entender, diz ex-Anvisa sobre Coronavac
São Paulo vai pedir uso emergencial da Coronavac à Anvisa, diz Gabbardo

Caixas da Coronavac
Caixas da Coronavac, vacina da farmacêutica Sinovac em conjunto com Instituto Butantan
Foto: Thomas Peter/Reuters (24.set.2020)

De acordo com Greca, a capital do Paraná se dispõe a comprar qualquer vacina autorizada pela Anvisa. “Se a Anvisa permitir, renovo o meu interesse em adquirir esta (Coronavac) e qualquer outra vacina que for disponibilizada.”, explica o prefeito.

Ainda não se sabe a quantidadea a ser adquirida e nem quando começará a imunização em massa. O que foi definido no plano de vacinação é que os profissionais de saúde serão os primeiros a serem vacinados.

25 de janeiro

O governo paulista anunciou nesta segunda-feira (7) que a vacinação contra Covid-19 começará no dia 25 de janeiro, dia do aniversário de São Paulo. A informação foi adiantada pela CNN.

Serão 18 milhões de doses nessa primeira fase, que será voltada para idosos, profissionais de saúde, indígenas e quilombolas. 

Cada cidade deverá elaborar um “plano de recebimento e armazenamento” da vacina. Os detalhes foram anunciados em entrevista coletiva do governo. 

Na semana que vem, o governo pedirá o registro do imunizante à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Na última quinta-feira (3), foi anunciado que os resultados da fase 3 dos testes da Coronavac serão apresentados nas próximas semanas. 

“No meu entendimento, todas as colocações anunciadas pelo Ministério da Saúde para que uma vacina preencha os requisitos para uso emergencial estarão cumpridas pela vacina do Butantan”, disse João Gabbardo, coordenador do Centro de Contingência da doença no estado.

(Com informações de Tainá Falcão, Murillo Ferrari, Matheus Prado e Anna Satie, da CNN em São Paulo)

 

Mais Recentes da CNN