Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN no Plural +

    Diversidade geracional: por que as empresas precisam falar disso

    Pela primeira vez na história, quatro gerações estão trabalhando ativamente juntas -- e isso é uma ótima notícia

    Empresas precisam pensar em diversidade geracional
    Empresas precisam pensar em diversidade geracional Klaus Vedfelt/Getty Images

    Letícia Vidicada CNN

    Imagine essa cena: o presidente da empresa no auge dos seus quase 70 anos convoca uma reunião junto ao seu time de diretores com 50 anos, seus gerentes com 40 e poucos anos e coordenadores e assistentes 20+ e 30+. Todos unidos numa sala para desenvolver um novo projeto. Tantas idades e tantas gerações nesta cena descrita não são mais uma utopia. É sim a nova realidade do mercado corporativo.

    Pela primeira vez na história, quatro gerações estão trabalhando ativamente juntas. As gerações Z (nascidos a partir do fim dos anos 1990), Y (nascidos entre 1981 e meados da década de 1990), X (nascidos entre 1960 e 1980) e os baby boomers (nascidos entre 1946 e 1964) seguem todas reunidas no mesmo ambiente corporativo. E esse “choque” de gerações é muito positivo para as empresas. E elas precisam urgentemente entender isso.

    O aumento da expectativa de vida do brasileiro – hoje em torno dos 80 anos no caso das mulheres, por exemplo – também está puxando a mola da produtividade e adiando a saída de algumas gerações do mercado de trabalho. Por isso, tantas idades numa mesma ‘call’. Essa pluralidade e diversidade de perfis é muito benéfica para as empresas porque contribui para o ambiente, já que se destaca o clima de muita troca e aprendizado entre gerações, onde a diversidade de corpos, ideias, cultura e estilo de vida podem auxiliar para o desenvolvimento de um projeto, por exemplo, a partir de diferentes perspectivas.

    Além disso, quando se tem um ambiente com essa diversidade geracional – mais do que números e gráficos – é preciso olhar para as pessoas. Entender as pessoas. Analisar o comportamento das pessoas. Aprender com suas potências e suas fraquezas. Lidar com um imediatismo de uma geração Z, por exemplo, ou com a busca da estabilidade da geração X ou uma possível dificuldade de acompanhar a transformação digital dos baby boomers.

    Vivemos um momento de aprendizado e desconstruções na nossa sociedade, que se reflete obviamente no mercado de trabalho. Vivemos um momento de inclusão e pluralidade de corpos, ideias, raças, gêneros, culturas, pensamentos, modos de vida, diferentes formas de pensar… tudo junto e misturado nesse caldeirão corporativo, que chama a nossa atenção para o que bem disse o educador Paulo Freire “só se aprende com as diferenças e não com as igualdades”.