É inviável estabelecer controle sanitário nos blocos de rua do Rio, diz Paes à CNN

Prefeitura carioca cancelou o Carnaval de rua nesta terça (4); desfile das escolas de samba na Marquês de Sapucaí será mantido com restrições que ainda serão anunciadas

Camille CoutoLéo Lopesda CNN

no Rio de Janeiro e em São Paulo

Ouvir notícia

Nesta terça-feira (4), o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, anunciou o cancelamento dos blocos de rua do Carnaval carioca por conta do aumento nos casos de Covid-19.

A Prefeitura do Rio de Janeiro deve divulgar, na próxima sexta (7), mais informações sobre o Carnaval e o desfile das escolas de samba na Marquês de Sapucaí.

Em entrevista à CNN, Eduardo Paes explicou que os blocos de rua cariocas, por características próprias, impedem que se estabeleça algum controle sanitário.

“Pelo menos é assim aqui no Rio: o Carnaval de rua tem muito a ver com o território onde os blocos saem. São, em geral, blocos que têm ligação com aquele bairro”, disse o prefeito.

“É uma logística muito complexa em que controles sanitários são inviáveis de serem estabelecidos”, complementou.

Foi oferecida a alternativa de três locais da cidade serem escolhidos e isolados para que os principais blocos desfilem. Mas, segundo Paes, os representantes da Associação Independente dos Bloco da cidade (Sebastiana) não concordaram com a proposta.

No entanto, até o momento, o tradicional desfile das escolas de samba no sambódromo da Marquês de Sapucaí será mantido.

“O Carnaval na Sapucaí é um ‘estádio do samba’. Da mesma maneira que você tem regras e barreiras sanitárias que você consegue estabelecer para um jogo do Flamengo, do Corinthians ou do Grêmio, você consegue estabelecer na passarela do samba”, declarou.

“Então é isso: Carnaval de rua cancelado e o Carnaval da Sapucaí liberado com barreiras sanitárias bastante duras, restritas, que ainda serão definidas oportunamente”, concluiu.

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PSD), em entrevista à CNN / Reprodução/CNN Brasil (5.jan.22)

Vacinação das crianças cariocas contra Covid-19

O Ministério da Saúde define, nesta quarta-feira (5), os procedimentos para a realização da imunização de crianças contra a Covid-19.

De acordo com as estimativas de Paes, o Rio de Janeiro está “mais do que pronto” para vacinar em torno de 500 mil crianças.

O prefeito carioca ressaltou que a cidade não exigirá qualquer forma de prescrição médica para que as crianças de 5 a 11 anos recebam o imunizante.

“Defendemos que a vacina seja aplicada o mais rápido possível”, afirmou.

Mais Recentes da CNN