Em São Paulo, blocos de rua querem fazer Carnaval no segundo semestre

Organizações querem dialogar com a prefeitura da capital para realizar a festa em alguma data nos possíveis meses de setembro, outubro ou novembro

Giovanna BronzeAndré Rosada CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Mais de 300 blocos da cidade de São Paulo querem fazer o Carnaval de rua no segundo semestre deste ano. As organizações querem dialogar com a prefeitura da capital para realizar a festa em alguma data nos possíveis meses de setembro, outubro ou novembro. As informações foram confirmadas para a CNN por Pedro Anacleto, presidente do Ocupa Carnaval de Rua de SP.

A intenção de realizar a festa mais para o final do ano foi expressa por organizações que representam os grupos carnavalescos, em reunião realizada no último sábado (16).

Em entrevista para a CNN, Anacleto informou que os grupos Ocupa, Arrastão dos Blocos e União dos Blocos de Carnaval do Estado de São Paulo (UBCRESP) estão dialogando com outras representações dos blocos e com a prefeitura da capital para viabilizar os festejos na rua.

É esperado que nesta segunda-feira (18), pela manhã, seja protocolada a solicitação para a reunião com a Prefeitura da Cidade de São Paulo para discutir a festa no segundo semestre. Por conta do planejamento necessário e do número de blocos que podem se envolver na ação – mais de 800 -, é necessário planejamento por ambas as partes.

Na última abertura de inscrições para o Carnaval de rua da cidade, em outubro de 2021, foram feitas solicitações de 867 blocos. Segundo a prefeitura, esse é o maior número de inscrições dos conjuntos carnavalescos na história da festa. Desses, 440 foram aprovados para a programação oficial do evento – no entanto, em 2022, a festa foi cancelada por conta do aumento de casos de Covid-19 no início do ano.

As organizações descartaram a realização da festa nos meses de junho ou julho. A expectativa é que o Carnaval, caso ocorra, seja em algum dos meses de setembro, outubro ou novembro.

Em nota, a Prefeitura informou que “reafirma o seu integral apoio ao carnaval dos blocos de rua e a sua disposição para o diálogo permanente com as entidades que os representam”.

“A intenção da Prefeitura e dos demais órgãos públicos envolvidos é encontrar uma alternativa comum que garanta, democraticamente, a realização dos desfiles dos blocos, mas com o planejamento necessário e máxima segurança possível para todos”, continua. “Um evento dessa magnitude, como é de conhecimento público, exige um planejamento grandioso – roteiros, alterações no sistema viário e transporte público, infraestrutura básica, policiamento e serviços médicos, entre outros. É impossível realizar o carnaval de rua sem um grande esforço de organização, que garanta a segurança dos participantes e dos foliões”.

Carnaval extraoficial em Tiradentes

No feriado de Tiradentes, cerca de 30 a 50 blocos de Carnaval devem sair às ruas da capital paulista. A Prefeitura de São Paulo não participa da organização e, mesmo após diálogo com as organizações carnavalescas, não definiu medidas para o feriado, data em que será realizado o desfile das escolas de samba.

Em reuniões entre as agremiações e o poder municipal, o órgão informou que não haverá repressão contra os blocos que decidirem sair pela capital.

Em resposta à CNN, a prefeitura de São Paulo lembrou que o Carnaval foi cancelado neste ano e que “regra específica prevê que, a realização de eventos dos blocos, cordões, bandas e demais manifestações do Carnaval, deverá ser previamente autorizada pelos órgãos competentes por ato específico que conterá informações sobre organizadores, horário, locais e períodos de duração”. O órgão continua: “Além disso, o decreto 49.969/2008, que regulamenta a expedição de alvará de autorização para eventos públicos e temporários, estabelece que esse documento deve ser oficialmente requerido com antecedência mínima de 30 (trinta) dias da data de realização do evento”.

Mais Recentes da CNN