Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Empresário Thiago Brennand é alvo de nova denúncia por agressão

    Acusação aponta que ele agrediu um garçom em um condomínio em março de 2022

    Empresário Thiago Brennand
    Empresário Thiago Brennand Reprodução/YouTube

    Agência Estado

    Os promotores de Justiça Evelyn Moura Virginio Martins e Josmar Tassignon Júnior, da cidade de Porto Feliz, interior de São Paulo, denunciaram o empresário Thiago Brennand, de 42 anos, pelo crime de lesão corporal.

    De acordo com a denúncia, ele teria agredido o garçom Vitor Igor Rodrigues Machado, de 26 anos, que trabalha em uma unidade do restaurante Fasano, dentro de um condomínio fechado, em que o acusado possui uma residência.

    Thiago Brennand é acusado dos crimes de estupro, cárcere privado, ameaça e lesão corporal por mais de dez mulheres. Ele foi encontrado pela Interpol na última quinta-feira (13), em Abu Dhabi, onde aguarda o processo de extradição para o Brasil.

    Ele possui contra si duas ordens de prisão preventiva, uma delas da juíza da 6ª Vara Criminal de São Paulo, Érika Mascarenhas, e outra do juiz da 1ª Vara de Porto Feliz, Jorge Panserini.

    De acordo com a denúncia do caso de Vitor Machado, no dia 11 de março o garçom estava saindo de moto do condomínio no final de seu expediente, quando passou na frente da garagem de Brennand. Ele chegou a parar, mas, como o veículo do empresário não saiu da garagem, retomou o trajeto.

    Instantes depois, Machado afirma que foi abordado por Brennand, que dirigia um veículo da marca Land Rover. O empresário teria colocado o carro na frente da moto, fechando o garçom, e exigido que ele descesse, alegando que ele estava pilotando com excesso de velocidade.

    O Ministério Público afirma que o acusado agrediu fisicamente o garçom “com um tapa no rosto e esganadura”, chamou-o de “vagabundo” e ameaçou proibir sua entrada no condomínio.

    Em entrevista concedida ao Estadão em setembro, Machado afirma que levou socos na testa, no olho, no nariz – que sangrou – e na nuca, e que precisou ser trocado de função pelo restaurante para preservar sua integridade.

    O garçom registrou boletim de ocorrência no dia dos fatos e também passou por perícia junto ao Instituto Médico-legal (IML), que documentou as marcas das lesões.

    Como a pena máxima pelo crime de lesão corporal leve é de um ano, o processo tramita perante o Juizado Especial Criminal de Porto Feliz.

    No mesmo ato em que ofertou a denúncia, o Ministério Público rechaçou a possibilidade de transação penal – espécie de “acordo” feito com o órgão, no qual o acusado presta serviços à comunidade ou paga uma multa em troca do arquivamento da ação – com base nos registros criminais que pesam contra Brennand.

    Ele é descrito pela promotoria como “alguém que se vê acima das leis e da ordem e que propala inocência num contexto de fantasiosa e insubsistente perseguição”.

    A reportagem entrou em contato com o advogado Ricardo Sayeg, que defende o empresário Thiago Brennand, mas ele afirmou que não comentará o caso.