Estudantes negros foram mais impactados na pandemia, diz estudo

Pesquisa demonstra como a disparidade de acesso a computador e internet afetou o aprendizado de milhares de jovens enquanto as escolas estiveram fechadas

Diego Barrosda CNN

no Recife

Ouvir notícia

Os estudantes negros foram os que mais sentiram os impactos negativos da pandemia de Covid-19. Uma análise realizada pelo Itaú Social, Fundação Lemann e BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) a partir dos dados das edições da pesquisa “Educação não presencial na perspectiva dos estudantes e suas famílias”, realizada pelo Datafolha entre maio de 2020 a setembro de 2021 com pais e responsáveis por crianças e adolescentes da rede pública, demonstra em números a dimensão desses efeitos na vida de milhares de jovens brasileiros.

Logo no início da pandemia, quando as escolas e instituições de ensino tiveram que migrar para o digital e o ensino à distância, os estudantes negros tiveram dificuldades para acompanhar os conteúdos e assistir às aulas, isso porque o acesso à internet é mais restrito para uma camada da população. Segundo o levantamento, somente 21% dos mais pobres têm acesso a computador com internet.

Em maio de 2020, 79% dos estudantes brancos já tinham a estrutura em casa para manter o aprendizado, contra 70% dos alunos negros. A proporção é mais agravada no recorte de classe social: 84% para estudantes brancos com renda de mais de dois salários-mínimos e apenas 68% para os negros em famílias que recebem até dois salários-mínimos.

Em relação à conectividade, dados de setembro de 2021 mostram que um estudante negro de renda familiar abaixo de dois salários-mínimos tem quatro vezes menos chance de ter em sua casa um computador com internet em comparação com um branco de renda familiar maior que dois salários-mínimos – 21% contra 86%, respectivamente. Ainda de acordo com a pesquisa, a desigualdade de conectividade não diminuiu ao longo do tempo.

Mais Recentes da CNN