Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-BBB Gleici Damasceno denuncia ter sofrido racismo no aeroporto de Guarulhos

    Receita Federal investigará o caso; influenciadora fez denúncia

    Tiago Tortellada CNN

    em São Paulo

    A ex-BBB Gleici Damasceno denunciou ter sofrido racismo na manhã desta sexta-feira (24) no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo.

    De acordo com relato publicado em suas redes sociais, ela foi constrangida durante abordagem da Receita Federal após voltar dos Estados Unidos, tendo se sentindo “vulnerável e invadida”.

    “Quando eu cheguei, a mulher começou a perguntar coisas normais, mas aí teve uma pergunta que ela me fez e que me fez ficar muito mal. Ela falou assim: ‘Nossa, viajar duas vezes por ano é muito caro. Como você consegue viajar duas vezes por ano? É muito caro para você fazer isso'”, contou Damasceno.

    “E eu falei assim: ‘Nossa, acho que esse seu comentário é um comentário racista’. E aí ela disse: ‘Eu acho que o racismo está em você'”, completou.

    Em seguida, ainda de acordo com a influenciadora, a servidora ameaçou autuá-la mais de uma vez, mandando-a sentar.

    Damasceno teria perguntado, então, com quem poderia fazer uma denúncia. Porém, a mulher falou que ela era “a autoridade aqui”.

    “Eu fiquei muito nervosa, porque eu nunca passei por uma situação dessas. Eu entendo o trabalho das pessoas, que tem que fazer perguntas mesmo, mas eu acredito que certos comentários você não deve fazer”, pontuou.

    A influenciadora também explicou que possui dois celulares, sendo um pessoal e outro que utiliza para o trabalho. Porém, quando a servidora encontrou o outro aparelho, que, segundo Damasceno, foi comprado em maio de 2022 nos Estados Unidos, resolveu taxá-lo.

    “A gente sabe quando a pessoa fala com maldade, com deboche, e ela era o tempo todo muito debochada, o tempo todo dizia que ia me autuar”, afirmou.

    Por fim, a influenciadora disse que fez uma denúncia junto à ouvidoria da Receita Federal.

    Caso será investigado

    Na noite desta sexta-feira, Robinson Barreirinhas, secretário da Receita Federal, informou que a Superintendência do órgão em São Paulo e a Ouvidoria Nacional estão apurando o caso e “já tomaram as primeiras providências”.

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), prestou solidariedade à influenciadora e ressaltou que não irão tolerar nenhum caso de discriminação. Também parabenizou o secretário e incentivou a investigação.