Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Filho de Cabral será transferido para mesmo presídio do pai

    José Eduardo Neves Cabral é investigado por comércio ilegal de cigarros e se apresentou à Polícia Federal na quinta-feira (24)

    José Eduardo era considerado pela PF um dos principais alvo da operação Smoke Free
    José Eduardo era considerado pela PF um dos principais alvo da operação Smoke Free Reprodução/Redes Sociais

    Pauline Almeidada CNN

    no Rio de Janeiro

    Um dia após se entregar à Polícia Federal (PF), José Eduardo Neves Cabral será transferido nesta sexta-feira (25) para o mesmo presídio onde está o pai, o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. Os dois ficarão no Batalhão Especial Prisional da Polícia Militar, em Niterói, na Região Metropolitana.

    José Eduardo era considerado pela PF um dos principais alvo da operação Smoke Free, que investiga um esquema de comércio ilegal de cigarros. A organização criminosa teria transportado mercadorias vindas do crime, vendidas em territórios dominados por traficantes de drogas e milicianos.

    O filho do ex-governador era procurado desde quarta-feira (23), dia em que a operação foi deflagrada, e se apresentou na quinta-feira (24). A defesa informou que está segura que a inocência de José Eduardo será provada no decorrer do processo.

    Até o momento, dos 27 alvos da operação, 13 foram presos. Os cerca de 300 policiais que participaram da ação ainda apreenderam R$ 400 mil em dinheiro, além de milhares de cigarros clandestinos, veículos de luxo, joias, mídias, celulares, computadores e documentos.

    Segundo as investigações da PF, a organização criminosa teria deixado um prejuízo de R$ 2 bilhões aos cofres públicos da União. Ainda contaria com a participação de um agente da PF, policiais militares e bombeiros, todos integrantes da célula responsável pela segurança do grupo.

    Os investigados podem responder por sonegação fiscal, duplicata simulada, receptação qualificada, corrupção ativa e passiva, lavagem de capital e evasão de divisas. Se condenados, podem enfrentar uma pena mínima de 66 anos de prisão.