Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Golpe na USP: aluna de medicina é denunciada por estelionato

    Alícia Muller é apontada como responsável por desvios de quase R$ 1 milhão do dinheiro arrecadado para a realização da formatura de sua turma do curso de medicina

    A estudante de medicina da USP Alicia Dudy Muller Veiga, de 25 anos, acusada pelos colegas de classe de ter desviado quase R$ 1 milhão da comissão de formatura
    A estudante de medicina da USP Alicia Dudy Muller Veiga, de 25 anos, acusada pelos colegas de classe de ter desviado quase R$ 1 milhão da comissão de formatura Reprodução

    Beatriz GabrieleManoela CarlucciEvelyne Lorenzettida CNN

    Em São Paulo

    O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) ofereceu denúncia contra a aluna da USP Alícia Muller, apontada como responsável por desvios de quase R$ 1 milhão do dinheiro arrecadado para a realização da formatura de sua turma do curso de medicina.

    O promotor Fabiano Pavan Severino denuncia a aluna por oito estelionatos e uma tentativa. Ele entende que Alícia “obteve por oito vezes vantagens ilícitas, totalizando R$ 927.765, em prejuízo alheio”. Além disso, o MP-SP pede que ela repare todos os danos causados.

    Na época que o golpe foi descoberto, a estudante era presidente da comissão de formatura da Faculdade de Medicina da USP e realizou diversas transferências ao longo de 2022 sem o conhecimento dos colegas.

    O Ministério Público, anteriormente, já tinha se manifestado contra a decretação da prisão da aluna por entender que as condutas atribuídas à Alícia se tratam de estelionato, e não de apropriação indébita. Nesses casos, a lei exige uma representação criminal para o oferecimento de denúncia contra a autora dos fatos.

    O pedido de prisão preventiva foi feito no inquérito policial finalizado pelo 16º distrito policial de São Paulo, em 31 de janeiro deste ano.

    A defesa de Alícia disse que vai emitir uma nota oficial assim que tiver mais informações sobre a denúncia.

    O caso segue em segredo de Justiça. O Tribunal de Justiça de São Paulo foi procurado, mas não se manifestou.