Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Governo alivia restrições, e cidade de São Paulo vai para fase amarela

    Região metropolitana da capital paulista estava na fase laranja desde 22 de janeiro

    da CNN, em São Paulo



     

    O governo paulista vai aliviar as restrições e a cidade de São Paulo retornará à fase amarela. A informação foi anunciada em entrevista coletiva nesta sexta-feira (5) e antecipada pela CNN

    A região metropolitana da capital paulista estava na fase laranja desde 22 de janeiro. Com a mudança, o comércio poderá ficar aberto até as 22h e o consumo local em bares será permitido. 

    As medidas passam a valer a partir de sábado (6).

     

     O estado está na terceira semana consecutiva de queda na média diária de novas internações, o que permitiu a reclassificação.

    Nove outras regiões também progrediram: Araçatuba, Presidente Prudente, Campinas, Baixada Santista e Registro avançaram da fase laranja para a amarela.

    Marília, Barretos, Taubaté e Ribeirão Preto, que estavam na fase vermelha, procederam para a laranja. 

    Apenas uma região regrediu: Araraquara, que estava na fase laranja e foi para a vermelha. Junto dela, estão Bauru e Franca, que permanecem na fase mais restritiva do plano. 

    A CNN apurou que até esta quinta (4), os especialistas do Centro de Contingência da Covid-19 no estado divergiam quanto à reclassificação. Alguns queriam o avanço de certas regiões, enquanto outra parte resistia, com medo que os números da Covid-19 voltassem a subir. 

    Na última quarta (3), o governo já havia anunciado a suspensão das restrições mais rígidas aos fins de semana

    O coordenador-executivo do Centro de Contingência, João Gabbardo, não descarta a possibilidade de alguma recomendação adicional, tendo em vista o feriado do Carnaval

    O estado registra até o momento 1.833.163 casos e 54.324 mortes por Covid-19.

    Judicialização

    Na entrevista coletiva desta sexta, o governador João Doria (PSDB) afirmou que o Ministério da Saúde desabilitou 3.258 leitos de terapia intensiva em São Paulo destinados exclusivamente ao tratamento da Covid-19 e financiados pela pasta.

    Doria afirmou que a decisão da pasta mostra um “viés político” que atingiu também outros estados e prometeu judicializar a questão.

    “É gravíssimo isso que estamos denunciando aqui neste momento”, disse Doria. “Se mantiver essa decisão, quero já antecipar aqui, vamos judicializar, vamos ao Supremo Tribunal Federal e essa súmula do Supremo Tribunal Federal, se for favorável a São Paulo, vai ser favorável também a todos os demais estados brasileiros.”

    (*Com informações de Anna Satie, Tainá Falcão e Soraya Lauand, da CNN em São Paulo, e da Reuters)