Governo do Rio exonera porta-voz da PM que atacou repórter em vídeo

A informação da exoneração foi confirmada pela CNN. A divulgação do vídeo pegou de surpresa diversos integrantes do governo

Leandro Resendeda CNN

Ouvir notícia

 

O governador em exercício do Rio, Cláudio Castro, determinou a exoneração da porta-voz da Polícia Militar, coronel Gabryela Dantas, após ela divulgar vídeo, nos canais oficiais da corporação, em que ela faz críticas pessoais a um repórter do jornal Extra após a publicação de uma reportagem.

Em nota, a Editora Globo, que publica os jornais Extra e O Globo, repudiou o vídeo em que a militar classificou o repórter Rafael Soares como “inimigo da corporação e incentivou a população a divulgar a gravação.”

Assista e leia também

Familiares de Emily e Rebecca se reúnem com Defensoria Pública

Deputada do Rio denuncia morte de primas de 4 e 7 anos à ONU

Gabryela Dantas PM Rio Emily Rebeca
Foto: Reprodução/ Twitter

A informação da exoneração foi confirmada pela CNN. A divulgação do vídeo pegou de surpresa diversos integrantes do governo. “Aquela peça é uma manifestação de ódio. Esse governo não pode ser assim”, afirmou um secretário à reportagem.

Os comentários da porta-voz da PM geraram uma série de ataques ao jornalista do Extra. As críticas foram feitas após uma reportagem do jornal mostrar, com dados oficiais da própria PM, que o batalhão investigado pelas mortes das meninas Emily e Rebeca tinha elevado o consumo de munição. 

A porta-voz chamou a reportagem de “covarde e inescrupulosa”, citou o nome do profissional e incentivou que o vídeo fosse compartilhado.

Em nota, a Editora Globo afirma que “faz parte da prática jornalística diária lidar com críticas, contestações e pedidos de reparação de alguma informação. No entanto, a Editora Globo repudia os ataques feitos pela Polícia Militar do Rio de Janeiro, que, por meio de um vídeo oficial, classificou o repórter como inimigo da corporação e incentivou a população a divulgar vídeo. Não é papel de uma instituição de Estado atacar pessoalmente um profissional nem incitar a população contra ele”.

Mais Recentes da CNN