Homem é suspeito de matar ex a tiros na zona sul de SP

De acordo com a PM, o pai da vítima informou que o crime teria ocorrido após uma discussão entre a filha dele e o suspeito

Estudo aponta aumento de ocorrências de feminicídio durante pandemia
Estudo aponta aumento de ocorrências de feminicídio durante pandemia Foto: Elza Fiúza/Agência Brasil

Carolina Figueiredo*, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Uma mulher de 26 anos morreu depois de ser baleada dentro de um apartamento na zona sul de São Paulo na noite de sábado (2). Segundo relatos, o autor era companheiro da vítima.

O suspeito também feriu o pai da mulher com tiros na região do abdômen e no rosto. Mãe e irmão da mulher também estão feridos. De acordo com a PM, o homem teria fugido do local em um Fiat Uno branco — a polícia faz buscas para localizá-lo. O nome da vítima, de acordo com a polícia, era Amanda e ela seria estudante.

A PM foi chamada para atender uma ocorrência com disparo de arma de fogo quando encontraram a mãe da vítima na rua. “Ela informou que havia sido atingida por um tiro e que sua filha estava dentro da residência, baleada. Ainda segundo ela, seu ex-marido e seu filho também foram atingidos por disparos, sendo socorridos por populares”, afirma a Polícia Civil. 

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, os militares encontraram a vítima praticamente sem vida. Ela e a mãe foram socorridas, mas a jovem não resistiu. O irmão da vítima, baleado na mão, contou aos policiais que o autor dos disparos foi o companheiro da sua irmã e que os dois tiveram uma briga no dia anterior. 

“Segundo a mãe da moça, o autor ligou para sua filha pedindo que retornasse para a casa do casal, mas ela disse que só faria isso acompanhada dos seus pais para uma conversa. A família foi até o local, mas o companheiro da filha não estava. Quando se preparavam para ir embora o homem chegou armado e efetuou os disparos”, relata a Polícia Civil. 

Foram solicitados exames aos institutos de Criminalística e Médico Legal. O caso registrado no 98º Distrito Policial (Jardim Miriam) como homicídio qualificado (feminicídio) e tentativa de homicídio e será encaminhado ao 80º DP (Vila Joaniza), responsável pelas investigações.

Feminicídio

O País teve pelo menos outros 7 casos de feminicídio no período das festas de final de ano.

Na véspera de Natal, a juíza Viviane Vieira do Amaral, de 45 anos, foi assassinada na Barra da Tijuca, no Rio, pelo ex-marido, Paulo José Arronenzi, de 53 anos, com 16 facadas. O crime foi cometido na frente das três filhas, que têm entre 7 e 9 anos. O assassino foi preso em flagrante.

(Com informações da Agência Estado. *Sob supervisão de Leonardo Lellis)

Mais Recentes da CNN