Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Idosas são presas suspeitas de golpe para sacar benefícios do INSS em Goiás

    Elas faziam parte de um grupo composto por outras duas pessoas; suspeitos utilizavam documentos falsos para receber benefícios de previdência social

    Julia Fariasda CNN*

    A Polícia Civil de Goiás prendeu quatro pessoas, entre elas, duas idosas de 66 e 78 anos, suspeitas de integrarem uma associação criminosa que aplicava golpes em agências bancárias para receber benefícios do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com documentos falsos. As prisões aconteceram na tarde da última quinta-feira (4).

    O grupo vivia na cidade de Trindade, localizada a cerca de 26 quilômetros da capital Goiânia, e costumava aplicar os golpes nas agências utilizando documentos de outras pessoas para receber os benefícios.

    De acordo com a polícia, uma das suspeitas foi até uma agência do banco Itaú, em Orizona — local onde o grupo já estava há cerca de uma semana na tentativa de aplicar o golpe, e já eram conhecidos na agência bancária — e informou a um dos funcionários que queria sacar o benefício de prestação continuada, apresentando a guia do INSS, carteira de trabalho e identidade.

    No entanto, a atendente do local desconfiou da veracidade dos documentos e, após os procedimentos de segurança interna bancária, acionou a Polícia Civil do estado.

    Agentes policiais abordaram a idosa e os outros investigados, enquanto ela entrava em um veículo que o grupo ocupava. Com eles, foram apreendidos diversos documentos falsos e cerca de R$ 4.500 em espécie. Do total, aproximadamente R$ 2.800 teriam sido sacados momentos antes pela idosa investigada, de 78 anos, em uma agência bancária de Urutaí. Veja imagens das apreensões:

    Por existir a possibilidade de ocorrência de outros golpes similares a este, a polícia autorizou a divulgação da imagem dos investigados, para que a publicação possa levar à identificação de outras testemunhas ou vítimas e impedir a ocorrência de novos delitos.

    Segundo Kennet Andersson de Carvalho, delegado responsável pelo caso, o grupo é suspeito de praticar os golpes com o mesmo modo operante em diversas cidades de Goiás.

    Eles foram presos em flagrante por estelionato e associação criminosa e foram conduzidos até a unidade prisional, onde seguem à disposição do Poder Judiciário.

    *Sob supervisão de Carolina Figueiredo