Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Igreja destruída e carro arrastado: chuva e vendaval causam estragos em SC

    De acordo com a Defesa Civil, ainda não há informações confirmadas sobre desaparecidos ou mortos; novas chuvas devem atingir o estado na tarde desta quinta-feira (16)

    Igreja é destelhada após vendaval em SC
    Igreja é destelhada após vendaval em SC Tayna Balandiuk

    Victor Aguiarda CNN*

    Vídeos e imagens que circulam nas redes sociais mostram os danos causados pelas chuvas e vendavais registrados na última quarta-feira (15) no estado de Santa Catarina. Imagens obtidas pela CNN mostram o momento em que a água arrasta um carro. Também há registro de  uma igreja destruída pelos fortes ventos.

    Segundo a Defesa Civil catarinense, os volumes de chuva observados nos municípios de Taió (55,8 mm), Videira (54,2 mm) e Mirim Doce (50,6 mm) foram os maiores em todo o estado. O tempo chuvoso é decorrente de uma frente fria e do fluxo de calor e umidade que veio da região amazônica nos últimos dias.

    Igreja destruída

    Em Guaraciaba, interior do estado, um vendaval causou estragos em repartições públicas, escolas municipais e estaduais, empresas, propriedades particulares e destruiu o teto de uma igreja, segundo a prefeitura da cidade. Veja o vídeo:

    Ainda segundo a prefeitura de Guaraciaba, agentes da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros seguem trabalhando para amenizar os estragos e dar o apoio necessário aos habitantes.

    Carro arrastado

    Em Ipira, no oeste catarinense, uma moradora registrou em vídeo o momento em que um carro é arrastado pela força das águas. Nas imagens, é possível ver que a via está totalmente inundada, com a água chegando à altura da copa de algumas árvores. Não se sabe se havia alguém dentro do veículo.

    No começo da tarde desta quinta-feira, a Defesa Civil emitiu novos alertas de temporais, com risco de novas rajadas de vento e alagamentos. O órgão orienta que, em caso de emergências, o acionamento seja feito por ligação para os números 199 ou 193.

    * Sob supervisão de Vital Neto