Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Plural

    Iniciativa capacita mulheres em situação de vulnerabilidade para setor de tecnologia

    À CNN Rádio, a CEO do "Reprograma" Nadja Brandão destacou que área de tecnologia tem pouca representatividade de gênero

    Crew na Unsplash

    Amanda Garciada CNN

    A iniciativa “Reprograma” já formou mais de 2 mil alunas em situação de vulnerabilidade social econômica em programação.

    O projeto prioriza mulheres negras, trans e travestis para a capacitação.

    À CNN Rádio, no CNN Plural, a CEO da empresa Nadja Brandão disse que o programa surgiu do “inconformismo” diante da necessidade de profissionais no mercado de trabalho de tecnologia, mas, ao mesmo tempo, da “tão pouca representatividade de gênero.”

    Por esse motivo, o “Reprograma” atua para “capacitar essas mulheres para ocuparem este mercado de trabalho “que é promissor e está em alta, mas é majoritariamente masculino.”

    Ela lembrou que apenas 20% dos postos em tecnologia são ocupados por mulheres.

    “As alunas saem com condição de assumir posição em empresas que oferecem essa demanda de programação, altamente qualificadas”, completou.

    A empresa capacita profissionais tanto na parte técnica, quanto na socioemocional “para prepará-las para esse mercado que têm disparidade.”

    “A gente transcende a questão do código e atua para trazer empoderamento”, afirmou a CEO

    Veja mais: Conheça o trabalho de inclusão da Reprograma

    70% das mulheres formadas conseguem entrar no mercado de tech até seis meses após formada, de acordo com Nadja.

    Mesmo assim, o “Reprograma” quer aumentar os índices de empregabilidade para no mínimo 85%.

    *Com produção de Isabel Campos